Loading

[English and Portuguese] One year later… and still shunned

 

(Para quem não sabe ler Inglês, a versão em Português encontra-se no final)

 

ENGLISH

 

Good evening.

 

This blog post is going to be a little different, for it has been a year since I’ve been disfellowshipped from the Jehovah Witnesses.

No, it’s not going to be written in the same fashion as my open letter to that cult. That one had some form of debatable humor and snarkiness. The emotions were there for that kind of writing, which I half regret. Not because I don’t think they deserve it.. but because it may have came across as hostile. Not this time.. I don’t want to be wrongly labeled as an apostate, since I respect their faith (even though I no longer believe in it).

 

I wasn’t considering doing anything of the sorts as this blog post, an “anniversary” post. There’s nothing really to celebrate here, but only to reflect. But something happened on the 13th March this year.. almost on the 15th March (which was the day and month I got disfellowshipped, back in 2016). My family tried to emotionally manipulate me. A simple action that brought me to tears when I was tricked and shown my former best friend, a Jehovah Witness. And then victim blamed by my own family, that I’m the one to blame for the shunning. The one to blame for the fact that my former best friend won’t talk to me. That my friend.. and all the people I once knew and talked to since I was child, I’m the one that knew the consequences when I was baptized at the age of 11. That, after baptism, if I decided to walk my own path, I would be shunned.

I won’t go into detail about how it was when I was a Jehovah Witness. My open letter does a good job at making a quick summary. Instead, let us talk about how my life has been after that.

 

 

Obviously, I went ahead and continued with my goals. My transition is coming along quite well! I have gained a lot from it and will continue to attain even more happiness from it. Unfortunately, you won’t be around to witness it closely. Though that’s not really something that affects me that much. I can live with that sadness.. or should I call it for what it is? Pity. Some of you are such great individuals and it is sad to see that you have chosen to repress your humanity and critical thought because you have believed and you fear for a revengeful God that will smite you down in Armageddon unless you follow blindly the words of some men.

And no, I’m not trying to persuade anyone to abandon their faith, if that’s what they want to keep. I’m lamenting, since I do still love some of you very very much and I want you to be happy as well. Most of you suffer depression, I know. Such a burden, to abandon your own inner child just for a false sensation of fulfillment and unity. Yet, you are judged on every step you take. Never perfect enough, never doing enough to please the organization. Abandoning your jobs to do more preaching. Not resting enough. Always listening and hearing the same voices over and over, voices that you sometimes don’t even want to hear! But you have to, because you are in it together. Yet you listen to men that have no idea how the human mind works, instead of the psychologists and psychiatrists who went to college to get their degrees. Degrees you don’t have, because you had to abandon everything to do even more, to be more perfect.

 

It’s fine.. I’ve looked back less and less along the year. Except for the last few months but that’s obviously because there has been a few.. emotional and psychological changes. Plus, you have been provoking me, by using my parents. Emotional blackmail, manipulation.. you know I love my family more than anything else. I am thankful, very grateful that, despise everything, you have allowed me to stay with my parents. However, I would be lying if I didn’t say that it has become a major fear of mine that, one day, a group of elders is going to pressure my parents to kick me out of the house.

As I’ve mentioned on the open letter, I have a few theories as to why. Maybe it’s because of the economic crisis we are facing here in this European country, thus you realize that I just can’t survive on my own, with the kind of money I earn.. even with a job. Maybe it’s because you think that I’m insane, given your ignorance about my own predicament that you have avoided to do some research about.. since the world is “controlled by Satan” and thus everything that goes against your believes must be wrong and manipulative, period! Or maybe because you have hope that my parents will be able to persuade me, to come back. After all, I was someone quite dear to a lot of the local Jehovah Witnesses on this area.

Or maybe.. you do have a heart. Maybe you do realize that there is something not quite right with the way things were handled. After all, my family left the congregation and joined another on a different area.. just a few months after the announcement. I know they were unhappy with how things were “solved” in that previous congregation. And I agree, even for Jehovah Witnesses standards, you dealt with my own case sooo poorly and sourly! You just wanted to strip away my father’s privilegies, didn’t you? And once that was done, you acted more formally.. less preoccupied. It’s like you no longer cared that much for what happened afterwards. That is.. until the congregation got new elders, then they were the ones that got worried and that’s when I was disfellowshipped.

But hey, my parents are happier in the new congregation. Good on them! They are in their 60’s, they deserve a calmer and simpler life from now on. And I’m sure some of those elders from the former congregation are happier too without us. Can’t say the same about some of the local baptized publishers.. .. hmm.

 

 

To conclude this blog post, I want to talk about what made me decide, on the last second, to write this blog post instead of getting ahead with my third month update (as in, related to my transition). I’m sorry, but this became a sudden priority over that post. I’ll write a late third month update on the next weekend though!

It’s good to note that this was quite coincidental. It’s the 13rd of March, as I write this. Translating all of this to Portuguese on the 14th. I didn’t had this planned on my mind at all, even though I was aware that we were near the 15th of March.. and the meaning behind that day. Actually, funny story. I was baptized on the 15th of February 2002. Disfellowshipped on the 15th of March 2016. I also started my transition on the 15th of December 2016. The number 15 is starting to symbolize something in my life, at least that’s the pattern! Anyway..

 

It was a Monday. I left work a bit early because, again, I had yet another appointment. It makes me feel bad for having to leave work sometimes, because of health related aspects. Fortunately, the people I answer to, they know it’s simply something I have to do. To go. So I left, to travel home and eat before the appointment. It was important to eat before this appointment, for reasons that I will not go into detail.

I had little time to be at home. However, after eating dinner, I found myself around 10 minutes to sit on the living room before walking off to my appointment. My parents were there, I was checking on my phone and messaging a friend of mine.

Suddenly, my father calls for my attention and I gaze over to what he wanted to show me. From afar, I saw the face of someone I haven’t seen for years.. my former best friend, a Jehovah Witness that lives in the United States, California (near LA). I couldn’t see her face properly from afar, the quality of the youtube video he was showing was bad and I do need better glasses (I’m short-sighted).. but I knew that face. I narrowed my eyes because I couldn’t believe that I was watching her. But then, from his headphones, I heard her singing and playing the piano. She loved playing the piano.. and singing.

My heart felt, together with a longing feeling of nostalgia. I had to look away.. acted dismissively to what my father was trying to show me. “I don’t want to see that.. why are you showing me this?” But even though I wasn’t looking, he didn’t lower the volume from his headphones. I could still hear her. I had to look back.. telling him to lower the sound. I had to repeat that a good number of times, because he didn’t hear me or didn’t understood me. Until I had to say “I don’t want to hear or see that as long I’m in this room, please.. get that video away from me.”

He acted offended.. probably because I somehow raised my voice and sounded like I was ordering him, instead of understanding that what he was showing was causing me distress. But he turned it off, and I reluctantly thanked him.

 

In that brief silence, I started to remember the good moments I had with her.

The things we talked, the things we laughed about. Of the things we shared, the things that made me suffer, the things that made her suffer. Her goals, my goals. All over the internet.. until I went on a vacation by myself to LA, in August/September 2010.

For three weeks, I slept and shared her family’s house. I hardly spent a dollar, except for the plane tickets I bought to get there and later come back, a meal or two at best, one souvenir and Disneyland tickets that I bought for myself and her (it was the minimal I could do, considering how much I saved money from everything). The people I’ve met, her friends. The places we went together, the memories. The silly things she and I did..

Her family was awesome as well! Her parents treated me like one of their own children. Even at one time, when I started to lose my senses after the first week, when we were out having dinner with a large group of people that were their friends. I was aided back to their car and was treated with special care until I lied in bed to sleep and recover (extremely long travels affect you). Her younger sister, a delight and polite child back then (must be a teen right now).

When I tried to mimic their Spanish accent (She was American, but her parents were Mexican immigrants), so that I could be able to read their language correctly. When they asked me to sing in my own language.. and I did horribly but they were fascinated anyway because they were hearing Portuguese straight out of a Portuguese native in their own backyard on a summer night.

When the last day came and I cried.. tears of both happiness and also of sadness. Because I wouldn’t be able to see them anytime soon. But a promise was formed, they were going to visit Portugal in 2012 during their planed European trip.. and they did.

Two years after, I saw them again face to face in my own house. They didn’t pay for much, just the same way I didn’t pay for a lot when I was there. The amazing car travel we did between Portugal to Barcelona (Spain), for them to catch their cruise across the Mediterranean Sea and visit a few other European Countries. Such an adventure, I had my driver licence less than a year and still I drove, with my father leading the way in his own car.. given that we brought two cars for the two families and they couldn’t drive in Europe.

The tan I’ve gained from that trip that lasted me a full year (not even joking). The things we talked again, the laughter and the jokes. I still remember very well when we were close to Madrid, a 100 KM long slow traffic to reach it, lasted four to five hours. An elderly Spanish family was looking at us, in their own car next to us. They smiled at us.. but the man sneezed. My friend turned to me, saying that he was probably allergic to youth. For some reason.. that made me laugh for 30 minutes to the point that everyone in the car felt awkward about it. I was laughing.. because I was happy. I didn’t wanted it to end..

But it ended, when we reached Barcelona. Both my family and theirs shared hugs, tears.. and a promise was left in the air. That next time, my whole family would visit the US, instead of just me…

That last promise.. it never happened.

 

She got herself busy, trying to get a job after finishing her education. Then started to dedicate herself more to what used to be the same believes as mine. She started to learn other languages, to become a better publisher.

I came out to her, about my own predicament. She was there, she listened.. though her advises weren’t exactly helpful. But her attention was. Her intentions were good.

She shared more of her own worries, about how some of her close friends and even crushes were getting disfellowshipped, or moving elsewhere to another congregation or country. This.. at a time that I knew it was eventually going to happen to me. I knew I was going to make her suffer more.. but I comforted her, said the things a Jehovah Witness always says in these situations. She thanked me..

That was the last meaningful talk we had. She got herself too busy and, after that encounter, I stopped answering her messages too. I wanted our bond to fade away slowly with time, before the inevitable. So that we could both.. maybe suffer less.

When I was disfellowshipped, by coincidence, she decided to reactivate her Facebook account just a few days afterward. She always said that Facebook was a distraction for her spiritual goals, but now that I look back, I believe Facebook reminded her of those friends she had lost in her life. She didn’t know.. she didn’t know I was disfellowshipped. She started interacting with my posts on Facebook.. and I had to tell her.

Her reaction and the last words I’ve heard from her, over at Facebook:

“I understand… I appreciate you informing me… Unless you decide to change your mind later on, I must now say goodbye. Goodbye.”

 

It was over, because I told her I was disfellowshipped. She suffered, the same way she suffered when all of those former friends moved on with their lives elsewhere or also got disfellowshipped.

And I too suffered.. and continue to suffer.

In the meantime, I’ve also learned that her mother got cancer. Of course, I couldn’t do anything about it. Not even send my best wishes to the family. I don’t know what type of cancer. I don’t know.. a lot.

 

When I heard her sing on youtube, when I saw her face.. the way she played the piano. It felt that she was in pain. I’ve felt that she was not only singing.. but she was releasing the pressure within. Or maybe.. it was all my imagination, that maybe I was the one in pain at that moment when all of those memories came to mind, projecting my emotions onto her. Maybe wishing that she, too, missed me.

 

 

After all that, I cried.. and all I’ve heard was my mother blaming me, that I shouldn’t be crying because I knew what was at play when I “decided” to walk my own path. Needless to say that we argued. And I obviously didn’t went to the appointment at the end..

 

… This is how shunning feels like. Tears, nostalgia, pity, loss, sadness, anger, rebellion. For a Jehovah Witness, you become less of a human, you are worst than dirt. You are a corpse that will never sink under the ground. Like a body that has been possessed by a demon, you are a walking mongrel that brings bad memories to the faithful and righteous Jehovah Witnesses. Completely selfish and evil. Your feelings don’t matter. What matters is that the Jehovah Witnesses suffer just by your presence. If you are suffering, it’s your fault.. no matter what. “You know what you did, it was a choice, you choose to abandon us. So you shouldn’t be crying and complaining.”, that’s what they’ll say.

 

You’re.. cruel, Watchtower. So very cruel! Using my friends and family as emotional blackmail.. how dare you.

 

 

P.S. I still have the gift my former friend gave to me when she visited me and my family in Portugal. It has been resting on my desk, always on a visible spot.

 

 

 

PORTUGUÊS

 

Boa tarde.

 

Este post vai ser um pouco diferente, visto que já fez um ano desde que fui desassociada das Testemunhas de Jeová.

Não, este post não vai ser escrito da mesma forma que a minha carta aberta para o culto. Aquele post continha algum humor e sarcasmo questionável. As emoções que tive no momento foram oportunas para esse estilo de escrita, pelo qual arrependo-me um pouco. Não porque pense que eles não o mereceram.. mas porque poderia ter sido interpretado como uma mensagem hostil. Desta vez não.. eu não quero ser acusada erradamente de ser uma apóstata, porque respeito a fé deles (apesar de a não compartilhar).

 

Eu não estava a considerar fazer algo de especial como este post de blog, um post de “aniversário”. Não existe grandes motivos para celebrar, mas apenas para reflectir. Mas algo aconteceu no dia 13 de Março deste ano.. perto do dia 15 de Março (o dia e mês pelo qual fui desassociada, em 2016). A minha família tentou manipular-me em termos emocionais. Uma simples acção que me fez chorar visto que fui enganada a ver a minha antiga (melhor) amiga, uma Testemunha de Jeová.  E depois fui acusada pela minha própria família, de que eu é que tinha culpa das Testemunhas de Jeová evitarem qualquer tipo de contacto comigo. A culpada da minha amizade antiga não falar comigo. Que a minha amiga.. e todas as pessoas que conhecia e falava no passado desde a minha infância, eu sou aquela que sabia as consequências quando fui baptizada aos 11 anos de idade. De que, depois do baptismo, se eu decidi-se caminhar o meu próprio caminho, que toda a comunicação seria cortada com as Testemunhas de Jeová.

Eu não irei detalhar o meu passado quando era uma Testemunha de Jeová. A minha carta aberta faz um bom resumo. Em vez disso, vamos falar de como tem sido a minha vida após a sentença.

 

 

Obviamente, eu continuei com os meus objectivos. A minha transição tem corrido bastante bem! Eu estou a ganhar muito com este tratamento e irei continuar a adquirir ainda mais motivos para sentir-me feliz. Infelizmente, as Testemunhas de Jeová não irão presenciar essas mudanças positivas de perto. Mas não é algo que me afecta assim tanto. Eu consigo viver bem com essa tristeza.. ou será que deveria chamar este sentimento pelo nome correcto? Pena. Alguns de vocês são indivíduos maravilhosos e é bastante triste ver que vocês escolheram reprimir a vossa própria humanidade e pensamento crítico porque vocês preferem acreditar e de ter receio de ser punidos por um Deus vingativo durante o Armagedom, a não ser que sigam de perto e cegamente um grupo de homens imperfeitos como o resto.

E não, não vou persuadir ninguém a abandonar a sua fé, se é isso que querem manter. Eu lamento, porque eu ainda amo alguns de vocês e desejo a vossa felicidade também. Alguns de vocês sofrem de depressão, eu sei. O peso, de terem abandonado a criança que vive em vocês apenas para obterem uma falsa sensação de realização e de fraternidade. Mesmo assim, vocês são julgados por tudo aquilo que fazem e dizem. Nunca suficientemente perfeitos, nunca fazendo o suficiente para a organização. Abandonando os vossos trabalhos para pregar ainda mais. Falta de descanço. Sempre a ouvir as mesmas vozes vez após vez, vozes que até mesmo nem querem ouvir mais! Mas têm que ouvir, porque estão unidos na fé. Apesar de terem que ouvir a homens que não fazem a menor idea de como a mente humana funciona, em vez de ouvirem os psicólogos e psiquiatras que estudaram nas suas universidades para obterem o diploma. Diplomas que não tem, porque tiveram que abandonar tudo para fazerem ainda mais, para serem mais perfeitos.

 

Não há problema.. eu tenho olhado menos para trás ao longo deste ano. Excepto nestes últimos meses mas isso é porque obviamente tem existo algumas.. mudanças emocionais e psicológicas. Ainda mais, vocês tem estado a provocar-me, usando os meus pais. Chantagem emocional, manipulação.. vocês sabem bem que eu amo a minha família acima de tudo. Eu estou grata, muito grata que, apesar de tudo, vocês permitiram que eu fica-se com os meus pais. Mas estaria a mentir por omissão se não dissesse que um dos meus maiores medos tornou-se a possibilidade de, um dia, um grupo de anciãos decida pressionar os meus pais para mandar-me fora de casa.

Como mencionei na carta aberta que escrevi, eu tenho algumas teorias pelo qual vocês decidiram assim. Poderá ser devido às condições económicas deploráveis que vivemos no nosso pais Europeu, logo sabem que eu nunca conseguiria sobreviver por conta própria, com o dinheiro que ganho.. mesmo com um trabalho. Também poderá ser porque acreditem que sou maluca, devido à vossa ignorância com respeito ao meu dilema, pelo qual não fizeram a vossa pesquisa.. visto que o mundo é “controlado por Satanás” e logo tudo o que vai contra as vossas crenças deve ser errado e manipulativo, ponto final! Ou se calhar porque vocês tem esperança que os meus pais irão convencer-me, para voltar à organização. Afinal de contas, eu fui alguém muito querida para muitas Testemunhas de Jeová nesta localidade.

Ou se calhar.. vocês até tem um coração. Poderá ser que tenham percebido que algo não esteve bem na forma pelo qual o meu assunto foi manejado por vocês. É bom notar que a minha família saiu da congregação e juntaram-se a outra numa localidade diferente.. apenas alguns meses depois do anúncio. Eu sei que eles ficaram tristes com a forma como as coisas foram “lidadas” na congregação anterior. E concordo, mesmo de acordo com os princípios que as Testemunhas de Jeová seguem, vocês lidaram mal com o meu caso, com frieza! Vocês queriam apenas retirar os privilégios do meu Pai, não é? E assim que o fizeram, vocês agiram de forma mais formal.. com menos preocupação e cuidado. Até parece que vocês não queriam mesmo saber do que poderia acontecer após isso. Isso é.. até que a congregação recebeu novos anciãos, então aí sim ouve preocupação, acabando na minha desassociação.

Mas não há problema, há males que vem para o bem, os meus pais são mais felizes na nova congregação. Ainda bem para eles! Eles já estão nos seus 60’s, eles merecem uma vida muito mais simples e calma a partir daqui. E tenho a certeza que alguns desses anciãos da congregação antiga até estão contentes sem nós. Não posso dizer o mesmo com respeito a alguns dos publicadores baptizados.. .. hmm.

 

 

Para concluir este post de blog, eu quero falar acerca daquilo que me fez decidir, no último segundo, escrever este post em vez de adiantar a terceira actualização mensal (isto é, no que diz respeito à minha transição). Peço desculpa, mas isto tornou-se uma maior prioridade. Eu irei escrever essa actualização tardia no próximo fim de semana!

É bom notar que isto foi uma pura coincidência. É dia 13 de Março, neste preciso momento. Traduzindo tudo para português no dia 14. Eu não tinha planeado nada, apesar de estar consciente que estamos perto do dia 15 de Março.. e o significado desse dia. Aliás, curiosamente, eu baptizei-me no dia 15 de Fevereiro de 2002. Desassociada no dia 15 de Março de 2016. Eu também comecei o meu tratamento no dia 15 de Dezembro de 2016. O número 15 está a conter um significado especial na minha vida, pelo menos é esse o padrão! De qualquer forma..

 

Foi uma segunda feira. Eu saí mais cedo do trabalho porque, de novo, tinha uma marcação. Sinto-me culpada o ter que sair do trabalho assim tantas vezes, por motivos de saúde. Felizmente, as pessoas pelo qual lido no local de trabalho, elas sabem bem que é algo que tenho de fazer. De ir. Por isso eu saí, para voltar a casa e comer antes da marcação. Era bastante importante comer antes da marcação, por motivos que não vou entrar em detalhe.

Eu tive pouco tempo para estar em casa. Mesmo assim, depois do jantar, eu consegui arranjar 10 minutos para sentar-me na sala antes de ter que sair. Os meus pais estavam lá e eu estava a ver o meu telemóvel, a escrever para uma amiga minha.

De repente, o meu pai chama-me, pedindo atenção. Eu dou-lhe, olhando para aquilo que ele queria mostrar. De longe, eu vi a cara de uma pessoa que já não vejo à alguns anos.. a minha melhor amiga, de outros tempos. Uma Testemunha de Jeová que vive nos Estados Unidos, Califórnia (perto de Los Angeles). Eu não consegui enxergar bem a cara dela, a qualidade do vídeo do youtube que ele estava a mostrar era mau e eu estou mesmo a precisar de uns óculos novos (sou míope).. mas eu reconheci a cara. Eu ajustei a minha visão porque eu nem estava a acreditar que estava a ver a ela. Mas, dos headphones do meu pai, eu ouvi ela cantar e a tocar o piano. Ela amava tocar o piano.. e também de cantar.

O meu coração caiu-me aos pés, juntamente com as saudades. Eu tive que olhar para outra direcção.. agir de forma desconsiderada ao que o meu pai estava a tentar mostrar-me. “Eu não quero ver isso.. porque é que estás a mostrar-me isto?” Mas mesmo apesar de não estar a olhar, ele não baixou o som dos headphones. Ainda conseguia ouvi-la. Eu tive que olhar de volta.. para dizer-lhe para abaixar o som. Eu tive que repetir várias vezes, porque ele não tinha-me ouvido ou não tinha percebido. Até que tive de dizer “Eu não quero ver ou ouvir isso enquanto estiver nesta divisão, por favor.. tira esse video da minha frente.”

Ele agiu de forma ofendida.. provavelmente porque eu aumentei o tom da minha voz e isso deve ter sido interpretado como uma ordem, em vez de ser entendido como um momento de aflição associado ao que ele estava a mostrar-me. Mas ele pausou o video, e eu relutantemente agradeci-lhe.

 

Naquele momento de silêncio, eu relembrei-me dos bons momentos que tive com ela.

As coisas que falámos, as coisas pelo qual nos fizeram rir. As coisas que partilhámos, as coisas que fizerem-me sofrer, as coisas que fizeram-lhe sofrer. Os meus alvos, os alvos dela. Tudo pela internet.. até que fui de férias sozinha para Los Angeles em Agosto/Setembro de 2010.

Durante três semanas, eu dormi e partilhei a mesma casa que a família dela. Eu mal gastei um cêntimo, excepto o dinheiro que gastei nos bilhetes de avião, uma refeição ou duas, um souvenir e dois bilhetes para a Disneyland que comprei para mim e para ela (era o mínimo que poderia fazer, considerando o dinheiro que poupei com quase tudo). As pessoas que conheci, as amizades dela. Os locais que fomos juntas, as memórias. As tolices que ela e eu fizemos..

A família dela também foi um espanto! Eles trataram-me como se fosse filha deles. Mesmo naquela vez, quando comecei a perder os meus sentidos após a primeira semana, quando estávamos a jantar fora juntamente com um grupo enorme de pessoas que eram amigos deles. Fui ajudada de volta para o carro deles, tratada com carinho e preocupação até ao momento que deitei-me numa cama para dormir e recuperar (as viagens longas afectam as pessoas). A irmã mais nova, um amor e muito bem educada (agora uma adolescente sem dúvida).

Quando eu tentei imitar o sotaque Espanhol-Mexicano deles (Ela era Americana, mas os pais dela eram Mexicanos imigrantes), para conseguir ler a língua deles correctamente. Quando eles pediram para cantar na minha própria língua.. pelo qual fiz horrivelmente mas eles estavam fascinados porque eles estavam a ouvir Português directamente de uma Portuguesa nativa, no quintal deles durante uma noite de verão.

Quando chegou o último dia e eu chorei.. lágrimas de alegria e de tristeza também. Porque eu não iria os ver durante muito tempo. Mas foi feita uma promessa, de que eles iriam visitar Portugal em 2012 durante a sua viagem de sonhos pela Europa.. e eles o fizeram.

Dois anos depois, eu os vi de novo cara a cara na minha própria casa. Eles não pagaram muito, tal e qual como eu não paguei muito enquanto eu estive lá. A viagem de carro maravilhosa que fizemos entre Portugal e Barcelona (Espanha), para eles apanharem o cruzeiro que iria viajar pelo Mar Mediterrâneo e visitar alguns países da Europa. Uma aventura única, eu tinha a minha carta de condução à menos de um ano e mesmo assim conduzi, com o meu pai a liderar no próprio carro dele.. visto que as duas famílias foram juntas e eles não podiam conduzir na Europa.

O bronze que adquiri naquela viagem que durou um ano inteiro (não estou a brincar). As coisas que falámos de novo, as gargalhadas e as piadas. Eu ainda me lembro bem quando estávamos perto de Madrid, a 100 KM e com uma fila lenta à nossa frente que durou entre quatro a cinco horas. O casal Espanhol idoso a olhar para nós, no seu próprio carro ao lado de nós. Eles a sorrirem para a nossa direcção.. até que o homenzinho espirrou. A minha amiga virou-se para mim, dizendo que ele provavelmente era alérgico à juventude. Por qualquer razão.. isso me fez rir durante 30 minutos ao ponto que toda a gente no carro sentiu-se embaraçado com a situação. Eu ria-me.. porque sentia-me feliz. Eu não queria que essa felicidade acaba-se..

Mas chegou a acabar, quando chegamos a Barcelona. As nossas famílias abraçaram-se, partilharam lágrimas.. e uma promessa ficou no ar. Que para a próxima vez, a minha família inteira iria visitar os Estados Unidos, em vez de apenas eu…

Essa última promessa.. nunca foi comprida.

 

Ela ficou ocupada, a tentar arranjar um emprego após o curso. Depois ela começou a dedicar mais tempo naquilo que pelo qual ambas acreditávamos. Ela começou a aprender outras línguas, para se tornar uma publicadora melhor.

Eu falei-lhe com respeito ao meu dilema. Ela esteve lá, a ouvir.. apesar dos conselhos dela não serem de grande ajuda. Mas a atenção dela ajudou. As intenções eram boas.

Ela partilhou mais as coisas que lhe preocupavam, acerca das amizades próximas que ela tinha e até mesmo paixonetas que foram desassociadas, ou mudaram para outra congregação ou país. Isto.. numa altura em que eu já sabia que o mesmo me iria acontecer cedo ou mais tarde. Eu sabia que iria fazê-la sofrer mais.. mas eu dei o apoio moral e emocional que ela necessitava, dizendo as coisas que uma Testemunha de Jeová diria numa situação dessas. Ela agradeceu-me..

Essa foi a última conversa significativa que tivemos. Ela continuou a ocupar-se e, depois daquele momento, eu também deixei de responder às mensagens dela. Eu queria que a nossa amizade fosse quebrando aos poucos com o tempo, antes do inevitável. Para que ambas pudéssemos talvez.. sofrer menos.

Quando fui desassociada, por coincidência, ela decidiu reactivar o Facebook dela uns dias depois. Ela sempre dizia que o Facebook era uma distracção para os alvos espirituais dela, mas agora que olho para atrás, eu acredito agora que o Facebook lhe fazia relembrar das amizades que ela foi perdendo ao longo da vida. Ela não sabia.. ela não sabia que tinha sido desassociada. Ela começou a interagir com os meus posts no Facebook.. e eu tive que lhe dizer.

A reacção dela e as últimas palavras que ouvi dela, por Facebook:

“Eu percebo… eu agradeço o teres informado a mim… A não ser que decidas mais tarde mudar de ideias, eu tenho que te dizer adeus. Adeus.”

 

E acabou assim, porque lhe disse que tinha sido desassociada. Ela sofreu, da mesma forma que ela sofreu quando todas as outras amizades seguiram as suas vidas ou também foram desassociados.

E eu também sofri.. e continuo a sofrer.

Durante este tempo, eu vim a saber que a mãe dela tem cancro. Claro, eu não podia fazer nada com relação a isso. Nem sequer enviar os meus melhores desejos para a família. Eu não sei que tipo de cancro ela tem. Eu não sei.. muita coisa.

 

Quando eu ouvi-a cantar no youtube, quando eu vi a cara dela.. a forma que ela tocava o piano. Eu senti que ela estava a sofrer. Eu senti que ela não estava apenas a cantar.. mas que estava a livrar-se da pressão dentro dela. Ou se calhar.. foi tudo minha imaginação, se calhar eu era a pessoa que estava a sofrer naquele momento quando aquelas memórias vieram ao de cima, projectando as minhas emoções nela. Se calhar desejando que ela, também, senti-se minha falta.

 

 

Depois disso tudo, eu chorei.. e tudo o que ouvi foi a minha mãe a culpar-me, de que eu não deveria estar a chorar porque eu sabia bem o que estava em risco quando eu “decidi” caminhar o meu próprio caminho. Escusado dizer que nós discutimos. E eu obviamente já nem compareci para a marcação que tinha..

 

… Isto é o que uma pessoa sente após uma desassociação. Lágrimas, saudades, pena, perda, raiva, revolta. Para uma Testemunha de Jeová, tu perdeste o valor como uma criatura humana, és pior que o pó do chão. Tu és como cadáver que nunca mais volta para a terra. Como um corpo possuído por um demónio, tu és uma desgraça que transporta as más memórias cada vez que uma Testemunha de Jeová fiel e reto olha para ti. Completamente egoísta e má. Os teus sentimentos não importam. O que importa é que as Testemunhas de Jeová é que sofrem pela tua presença. Se estás a sofrer, a culpa é tua.. não importa o que se diga ou faça. “Tu sabes bem o que fizeste, foi uma escolha, tu escolheste nos abandonar. Portanto nem devias estar a chorar e a queixar-te.”, isto é o que eles te dirão sempre.

 

Vocês são.. cruéis, Watchtower. Tão tão cruéis! Usando as minhas amizades e família como chantagem emocional.. como se atrevem.

 

 

P.S. Eu ainda tenho o presente que a minha antiga amiga me deu quando ela e a família dela visitaram-me a mim e a minha família em Portugal. Tem estado na minha secretária, sempre num local visível.

Pages:

Dear Jehovah Witnesses…

 

(Para quem não sabe ler Inglês, a versão em Português encontra-se no final.)

 

ENGLISH

 

Dear brothers and sisters in faith,

I am writing this open letter to you, filled with emotion, to express my deepest appreciation for everything that Watchtower has provided us. But, what the fuck? Are you serious? Are you kidding me? Are you completely barking mad? Oh sorry, pardon my French… I got a little carried away! Let’s pretend that never happened. It’s easy to simply forget mistakes, you’re professionals at that. Anyway, back to the subject to which I’m writing this lovely letter…

It has come to my attention, from a source that asked another source and that this source informed me that, after I’m done with my transition and when my legal documents are changed in order to reflect the name I’ve chosen for myself and the appropriate gender. If I still hold love for Jehovah and his organization, I could literally start from zero, since my old publisher card carries the old name and biological sex. Get a study, probably getting baptized for the second time in my life.. all sunshine and rainbows, praise Jehovah!

Tempting..

But let’s analise my experience with the Jehovah Witnesses. Allow me to meditate out loud about my nostalgic moments with the Jehovah Witnesses, exposing a little of my background. This could very well be one of the most macabre examples of that one parable, the Prodigal Son. Except, you know, the son is now a daughter. Awkward, I know.

 

I was born within a household/family that are Jehovah Witnesses. When I was born in 1990, my father was already an Elder for nearly 10 years. And may I add that he was part of that one initial generation of Portuguese Jehovah Witnesses, being preached at the age of 11, together with my grandparents when there were no more than nearly 2000 of them in the country back when there was a dictatorship (Salazar, Estado Novo)? There are around 48.000 at the moment. Anyway, this is only to give everyone the idea of the comfortable, established and somehow privileged position my family and I were positioned within the local area’s pecking order. I’ve met very important Jehovah Witnesses within the area we live in. Ate with them on the same table. Talked, laughed, shared words of wisdom, learned.. and so on.

Basically, for those who aren’t Jehovah Witnesses, I was the preacher’s child. Me and my brother, for that matter. But, though he was older, I was the one that advanced in the pecking order first. I “decided” to baptize at the age of 10, being baptized at the age of 11. Why did I used the quotation marks, you may ask? Because, according to what I was taught, baptizing is the most important decision in one’s life. More important than getting married! And last time I’ve checked, people can only get legally married at a much latter age than 11. Yet, the most important decision in my life was made at 10.. and you thought it was a good idea to baptize a child. Good job, though I know I’m not the youngest case. I was the youngest case, however, in this region during my time.

 

My experience with the Jehovah Witnesses has been mixed. On one hand, you have a good number of the people pretending to like you just to score points with my father. On the other hand, you also have the majority of the people around my age thinking that Prince of Persia is Satanic.. but Sex in the City is a good choice for a christian to watch at the local theater (I love to tell this story to people) and trying to ostracize you because you are considered a threat to their own silly goals within the congregation of their choice; though I can’t really blame those since this is pretty much what happens among elders too and we should always follow the example of those who lead! (Oh, I know. I’m not blind. And it’s not some conspiracy or just someone gossiping these things to my ear along the years. I just know. Call it intuition and a nag at reading people’s personality and shady intentions like an open book. Some elders just like to play Game of Thrones).

And then you have those that are genuine when they say they want to serve Jehovah. That genuinely like you. Too bad they never had the chance to know me for who I really am. Now they would had the chance to do so.. but hey, I’m disfellowshipped and they aren’t allowed to talk to me. I really wish I could just blame it all on them and say that they weren’t friends to begin with. But I know they live in fear, fear for what the elders would do to them if they knew that these people, that were once my friends, were talking to me somehow! It’s okay, I’m aware that some of them, to this very day, still care for me. I am saddened that they will never be able to finally get to know me. That all they knew was an incomplete human being, that lacked a fulfilling personality. Even more, I know that some of them actually do support my transition and are hopeful that you, someday, accept people like me into the organization. Because they actually did their research on the issue. But they fear. They fear you. They do not fear Jehovah. Trust me. They just think that there’s a very good reason why you are far behind the current discoveries. They have that hope, I do not.

 

Let’s also evaluate the way that you have dealt with my little predicament here.

So, first, I talk to a special pioneer that I once knew, that has done a few jobs within Portugal’s Betel. He didn’t know the answer to my predicament and told me to “send a letter to Brooklyn” (as in, what was at the time, Watchtower’s/Jehovah Witnesses Headquarters), since I know how to express myself in English. I did, a 7-8 page long letter explaining what I felt, my emotions and what I thought to be the best solution, transitioning. This was way back in 2011. After a month, I get an answer from Brooklyn and share it with the local elders/circuit overseer. I was disappointed with their answer, because it made no sense. The answer wasn’t satisfying, it didn’t solved anything. Though kind words were written on the paper, the justification as to why I was wrong was.. lacking.

So I did my own thing, started carving my own path in order to start my own transition. But I also really wanted to stay within the Jehovah Witnesses, so I said a few silly things to the doctors and that.. made the process difficult. I was naive, I wanted both worlds because I thought, and still firmly believe, that I’m right in what I’m doing. Even more so now, that I’ve started my treatment and feel much better. With room for improvement, obviously. But I already had a taste of what awaits me.. and it’s exactly what I wanted. I am happier, with a more fulfilling personality. I am turning to the girl I knew I always was but couldn’t rightfully bring it forward. Because I was lacking “ingredients”. I am now being given those, little by little. Again, I’m sad that you won’t be able to witness these changes first hand.

Eventually, after 2 years of not going to the meetings and doing my own thing, without any elder bugging me about my inactivity.. I did a mistake. I went to a meeting after so long, and that’s when people started to remember that I existed. And even more, how different I looked! Oh no, the people were shocked.. it’s like the queen of England just passed out, with a tea cup on her hand and falling on the floor, just because she saw someone with tight pants. In short, a bunch of elitist snobs, instead of being glad that I was there in a meeting after soo long, decided to whisper their favorite elders about how odd I looked. It took a week or two for them to come knocking on my door to invite me nicely to the kingdom hall, for a “little chat”. Of course, I was no fool and I knew what it meant. It was a judicial committee.

It was the first judicial committee, I was terrified! I wasn’t ready to be disfellowshipped, even though I knew I was right. So I felt for your demands and wore what you wanted, cut my hair the way you like it. All in two days, just like you asked of me. It was.. traumatizing. And when I went to the meeting, just like you demanded, I was empty. And more, the fake smiles given by some of the local Jehovah Witnesses. Has they greeted me, just to look good on the picture. To get a promotion or for their peers to look at them as examples. Nothing new there, I saw much of that during my childhood and adolescence. Not every Jehovah Witness gets the privilege I once had to go to the Assemblies and District Congresses and have a few random people come to you when your parents are near, with wide smiles and exaggerated gestures, greeting you as if you know them. And having them ask you if you still know them, because, apparently, they greeted you once 5-10 years ago and that means they are somehow relevant enough to be remembered. And that is if they don’t remind you that they once changed your diapers and that, as such, you should totally recognize their name and face! Or greet you and tell you that they are your father’s friend. Empty and void greetings… I know I sound spoiled and ungrateful. But when most people you greeted as a Jehovah Witnesses only smiled and greeted you because of your father, you know that you are nothing more than a dog that people pet just to look like a friendly person towards the owner. They don’t give a shit about the dog, they want the owner’s attention and approval. Some Jehovah Witnesses were like that and I have no sympathy for them.

And let’s not talk about your attempts at masculating me, as a means to “solve” my issue. Yes, let us not talk, for your own sake. It’s embarrassing, it was painful and so many times I had to hold back my words, like a feline holding back the claws that were ready to shred and roast on your ignorance.

But let’s pause for a moment and appreciate the biggest crime you committed here? The thing that really annoyed me? Because the rest I can forgive just by the fact that you are so blind by your own ignorance. But what I can’t forgive is the fact that you took that opportunity, after my commission and, after a week, you decided to strip away my father’s privilege of being an Elder! Don’t play dumb, I know how elders work. It’s Game of Thrones in most congregations and you took advantage of me just to remove my father’s nearly 40 years of work. Yes, because my actions, as an adult, mean that my father has to pay for my crimes. That or you thought that my condition is my father’s fault. Either way, whatever the reason, those are all disgusting and terrible reasons! And once I decided again to do whatever I wanted and ignore your laughable attempts to “aid me”, I brought this up several times. And all the times, you always answered my concerns and outrage with arrogance and out right dismissing my points. Or blaming the “other elders”. Or also getting mad or trying to manipulate the situation to make it seem like I was bringing that issue as if that was a reason why I was rebelling against your will.

No, allow me to explain. That’s not the reason. The reason is simple. I was tired of your shit. I was tired of fake people. I was tired of your political games between elders. I was tired of your ignorance. I was tired of the people that were constantly ostracizing me and my family. Of the gossips. Not every Jehovah Witness is a terrible person.. but some of you are. And some of those lead. And what makes you think that there aren’t people even higher on the pecking order that are just as vile? There probably are, it’s not difficult to imagine. As someone that was born within the organization, for the things I saw.. I am confident when I say that there are people like that in most congregations, Betel’s and even the Watchtower’s HQ.

 

I stopped fearing you. If there’s a god, clearly you don’t speak on his behalf. In fact, I go as far and saying that there’s no human that can talk on behalf of god. So, thank you, Jehovah Witnesses. You are right. Religions are awful. What makes you think you are that different from the others? You pride yourselves in being an organization that seeks the truth at all costs, no matter how unpleasant. Well, I gave you chances to learn more about my predicament, the truth. You tossed the truth aside, as one of the elders said on the second and last judicial committee (15th March 2016), the one I got disfellowshipped: “We don’t care about what science has to say.” Next time you print a magazine that exposes a scientific discovery that somehow fits with your narrative, about butterflies and amazing scenery.. please do remember that you don’t care about what science has to say. So don’t go around saying that some scientists are on your side and then claim that science is bad when it’s convenient.

But thank you Jehovah Witnesses. You taught me a few good things too, so let’s not deny ourselves. There were also a few good Jehovah Witnesses, people that were actually friendly and cared. You taught me to seek the truth, no matter how unpleasant. I still carry that in mind, in everything I do in life. That’s why I followed the path that I saw to be the right one. And the results only confirm that I was right.

You disfellowshipped me, which means that Jehovah Witnesses can’t talk to me, form any sort of social connection (unless business related). I lost connection to all the Jehovah Witnesses but my own family. I am still surprised (but grateful) that I’m allowed to still be able to talk to my family. I have a few theories has to why.. but I don’t care, I just accept and appreciate it as much as I can. The economy sucks and I wouldn’t be able to live on my own with the kind of money I earn. If I had the money, I would find another place to live, trust me. But though I did listed a good number of flaws, I know that you are not cold enough to throw me off the streets with nothing. And I know my place, I respect my parents and keep my thoughts to myself about the organization and my new religious perspective (or lack of). I do believe my parents are in the right organization. They are near their 65’s, they deserve to have a calmer and simpler life from now on. I will always love them and I will always respect their religious believes. Your religious believes.

 

And after all this, after my experience as a Jehovah Witness (and I did touched it quite lightly. I could go into more detail but this passionate letter is already quite long and I still have to translate it), I quote:

It has come to my attention, from a source that asked another source and that this source informed me that, after I’m done with my transition and when my legal documents are changed in order to reflect the name I’ve chosen for myself and the appropriate gender. If I still hold love for Jehovah and his organization, I could literally start from zero, since my old publisher card carries the old name and biological sex. Get a study, probably getting baptized for the second time in my life.. all sunshine and rainbows, praise Jehovah!

.. Right. Tempting but I will have to say that, for now, it is a big no. But it’s okay, I may go to a meeting or two someday. For nostalgia’s sake. As in, to see a few familiar faces from afar.. since I can’t talk to them. And they can’t talk to me either. But at least they’ll know that I’m now happier~

And to those that faint, like the judgmental snobs they are, because of my new appearance.. I’m not there for those so I don’t really care that much if they do faint.

 

But let’s imagine that I accept this.. proposal.

You know, when most of you decided to ignore my very same existence, do you know who was here for me? Not the Jehovah Witnesses.. but the “Worldly People”. Yes, those people you always tell to not befriend with because they will turn you away from Jehovah. The smokers, those from other faiths, LGBT people, those that think differently but love you just the same, etc…

So, when you abandoned me, when I needed you the most, you are telling me that I could join you and start all over.. and then hear from you that all these people that were there for me.. that they are bad people and I need to slowly break my connections with them? OR WAIT, even better, start preaching to them about.. .. .. the truth?

… Yes, I’m laughing. It’s a ridiculous proposal. Call me when you start respecting other people’s opinions and stop micromanaging people’s lives. You just look silly. Considering my own experience with most of the Jehovah Witnesses I’ve met.

 

And, as such, I conclude this public letter with plenty of hugs and kisses.. to those Jehovah Witnesses that actually care. I am fine, don’t worry. Quite fine in fact! I hope you are fine too,

SapphyDe90

 

P.S. Don’t worry! My friend’s list is private. If you fear that people will find out, don’t. From me, they’ll never find out. Unless they are a mutual friend. But, if we go down that path, the other person would only know if they are also part of my friends’ list. So they can’t tell anything unless they want to be told that they are also part of this friends’ list 😉

 

 

 

PORTUGUÊS

 

Queridos irmãos e irmãs espirituais,

Eu estou a escrever esta carta pública para vocês, cheia de emoção, para expressar a minha profunda gratidão por tudo o que a Watchtower tem providenciado para nós. Mas, que raio? Estão a gozar comigo? Estão doidos? Oh desculpem, peço perdão pela minha linguagem ultrajante… estou um pouco sensível! Vamos fingir que eu não escrevi aquilo. É fácil de esquecer as falhas, vocês são profissionais nisso. De qualquer modo, de volta ao tópico pelo qual é a razão de eu estar a escrever esta carta amorosa…

Chegou à minha atenção, através de uma fonte que perguntou a uma outra fonte e que essa fonte tinha informado que eu, depois de completar a minha transição e quando os meus documentos legais reflectirem o nome pelo qual escolhi para mim própria e o género apropriado. Se eu ainda tiver amor por Jeová e a sua organização, eu poderia literalmente começar do zero, visto que o meu antigo cartão de publicadora contém o nome antigo e sexo biológico. Começar um estudo, ser baptizada pela segunda vez na minha vida.. tudo um mar de rosas e arco-iris, louva a Deus!

Hmmm, tentador..

Mas vamos analisar a minha experiência com as Testemunhas de Jeová. Permitem-me que medite em voz alta a nostalgia que eu sinto com respeito aos momentos que tive com as Testemunhas de Jeová, expondo um pouco do meu passado. Isto até poderia ser um exemplo bastante macabro tal e qual como aquela parábola, a do Filho Pródigo. Excepto, claro, o filho agora é uma filha. Esquisito, eu sei.

 

Eu nasci dentro de um lar/família que é Testemunha de Jeová. Quando eu nasci em 1990, o meu pai já era Ancião já quase por 10 anos. E esta é a parte que digo que ele fez parte daquele grupo pequeno inicial de Testemunhas de Jeová em Portugal, tendo aceitado as Testemunhas de Jeová aos 11 anos de idade juntamente com os meus avós, quando não existiam mais de 2000 Testemunhas de Jeová no país no tempo da ditadura (Salazar, Estado Novo). Existem cerca de 48.000 neste momento. De qualquer forma, isto apenas serve para dar a idea às pessoas de que eu e a minha família beneficiava-mos de uma posição confortável, estabelecida e privilegiada dentro da hierarquia local. Tive o prazer que conhecer algumas Testemunhas de Jeová importantes na região que vivo. De comer na mesma mesa que eles. Falar, rir, partilhar palavras inspiradoras, aprender.. etc.

Basicamente, para aqueles que não são Testemunhas de Jeová, eu era a “filha do pastor”. Eu e o meu irmão. Mas, apesar de ele ser mais velho, eu fui a que dei progressos primeiro. Eu “decidi” baptizar-me aos 10 anos de idade, concretizando tal aos 11. E agora perguntam do porquê de colocar aspas. Porque, de acordo com o que aprendi, o baptismo é o passo mais importante na vida de uma pessoa. Mais importante do que casar-se! E a última vez que verifiquei a lei, as pessoas casam-se mais tarde do que com 11 anos de idade (pelo menos de forma legal). No entanto, a decisão mais importante da minha vida foi feita aos 10… e vocês pensaram que seria uma excelente idea baptizar uma criança. E eu não sou a pessoa mais jovem que o fez. Mas eu fui o caso mais jovem na minha região durante o meu tempo.

 

A minha experiência com as Testemunhas de Jeová tem sido mista. Por um lado, existem um bom número de pessoas que fingem gostar de ti só para parecerem bem para o meu pai. Por outro lado, tens jovens da minha geração a debaterem que o Príncipe da Pérsia é satânico.. mas que O Sexo e a Cidade é uma boa escolha para um cristão ver no cinema (Eu adoro contar esta história para as pessoas) e tentarem por-me de parte e a espalhar rumores só porque consideraram-me uma ameaça para os seus alvos espirituais dentro da congregação de escolha; apesar de não poder lhes culpar muito porque isto é o que acontece dentro de muitas congregações entre os anciãos também e nós devemos seguir o exemplo daqueles que estão acima! (Oh, eu sei. Não sou cega. E isto não é apenas uma conspiração ou alguém a espalhar rumores deste estilo para os meus ouvidos ao longo dos anos. Eu simplesmente sei. Chama-lhe de intuição e uma afinidade para enxergar personalidades e intenções obscuras das pessoas como se fossem um livro aberto. Alguns anciãos simplesmente gostam de brincar à Guerra dos Tronos).

E depois tens aqueles que são genuínos quando dizem que querem servir a Jeová. Que genuinamente gostam de ti. Infelizmente eles nunca terão prazer de me conhecer por aquilo que realmente sou. Agora poderia ter oportunidade de tal.. mas pronto, estou desassociada e eles não podem falar comigo. Eu gostaria imenso de poder culpar tudo neles e afirmar que eles nunca foram meus amigos de verdade. Mas eu sei que eles vivem com medo, medo do que os anciãos fariam se soubessem que alguém, dentro dessas amizades, poderiam estar a falar comigo! Não há problema, eu sei que alguns deles, até ao dia de hoje, ainda se preocupam comigo. Fico triste que eles nunca poderão me conhecer de verdade. Que tudo o que conheciam de mim era apenas uma pessoa incompleta, sem personalidade. Ainda mais, eu sei que alguns deles até estão de acordo com a minha transição e tem esperança de que vocês, algum dia, aceitem pessoas como eu na organização. Porque eles fizeram a sua pesquisa. Mas eles tem medo. Tem medo de vocês. Eles não tem medo de Deus. Acreditem em mim. Eles apenas pensam que existe uma boa razão pelo qual estão muito atrás no que diz respeito às descobertas mais recentes. Eles tem essa esperança, eu não.

 

Vamos também avaliar a forma como vocês lidaram com a minha situação.

Primeiro, eu falei com um pioneiro especial que antes conhecia, que já fez alguns trabalhos no Betel em Portugal. Ele não tinha resposta e aconselhou-me a “enviar uma carta para Brooklyn” (o que era, na altura, a sede das Testemunhas de Jeová/Watchtower), visto que sabia expressar-me em Inglês. Eu escrevi, 7-8 páginas a descrever o que sentia, as minhas emoções e o que seria a melhor solução para o meu problema, a transição. Isto foi em 2011. Depois de um mês, eu recebi a resposta deles e partilhei-a com os anciãos locais e o surpreendente de circuito na altura. Fiquei decepcionada com a resposta deles, porque não fazia sentido. A resposta não era satisfatória, não resolvia nada. Apesar das palavras amorosas, a justificação do porquê estar errada era.. fraca.

Por isso fiz aquilo que quis, comecei a andar no meu próprio caminho para começar a minha própria transição. Mas eu também queria imenso continuar a ser Testemunha de Jeová, por isso disse coisas aos médicos que me arrependo.. pelo qual fez com que o processo complicasse um pouco (neste caso, o diagnóstico). Eu fui ingénua, eu queria ambos os mundos porque pensei, e continuo a pensar firmemente, que estou certa naquilo que estou a fazer. Ainda mais agora, que já comecei o tratamento e já sinto alguns dos efeitos positivos. Claro, ainda mais tem que acontecer. Mas já senti o suficiente para saber que foi uma excelente decisão! Estou mais feliz, com uma personalidade mais completa. Estou a tornar-me na rapariga que sempre soube que era mas que nunca conseguia demonstrar. Porque faltavam “ingredientes”. Agora os ingredientes estão a ser fornecidos, aos poucos. De novo, fico triste de que não vão poder presenciar estas mudanças ao vivo.

Após 2 anos de não ir às reuniões e de fazer as coisas à minha maneira, sem nenhum ancião a chatear-me com respeito à minha inactividade.. eu cometi um erro. Eu fui a uma reunião após tanto tempo, e isso fez com que as pessoas começassem a lembrar que eu existia. E ainda mais, o quão diferente eu estava! Oh não, as pessoas estavam chocadas.. pareciam a rainha de Inglaterra com uma chávena de chá na mão e a falecer, caindo no chão, só porque a rainha viu alguém com calças mais apertadas. Em poucas palavras, um grupo de elitistas pretensiosos, em vez de ficarem contentes pelo facto de estar lá após tanto tempo, decidiram cochichar com os seus anciãos favoritos com respeito à minha aparência “estranha”. Demorou apenas uma semana ou duas para eles virem bater à minha porta para me convidarem cordialmente para o salão do reino, para uma “conversa”. Claro, não sou parva e eu sabia muito bem o que aquilo significava. Era um comitê judicial.

Foi a primeira vez que estava a ser julgada daquela forma, tive muito medo! Não estava pronta para ser desassociada, apesar de saber que tinha razão. Por isso cedi às exigências e vesti o que queriam que eu vestisse, cortei o cabelo da maneira que vocês gostam. Tudo num espaço de dois dias, tal e qual como pediram. Foi.. traumatizante. E depois quando fui para a reunião, como tinham exigido, senti vazia. E ainda mais, os sorrisos falsos que algumas Testemunhas de Jeová deram. Quando me cumprimentavam, só para parecer bem para a foto. Para receberem uma promoção ou aprovação das outras Testemunhas de Jeová. Isso não é novidade, eu vi muito disso durante a minha infância e adolescência. Não são todas as Testemunhas de Jeová que tem o privilégio que eu tive de ir a Assembleias e Congressos de Distrito e ter pessoas estranhas a vir ter contigo quando os pais estão por perto, com aqueles sorrisos largos e gestos exagerados, cumprimentarem-te como se conhecem de algum lado. E depois terem eles a perguntarem-te se ainda os conheces, porque, aparentemente, tu fizeste o mesmo com aquela pessoa à uns 5-10 anos atrás e isso significa que são pessoas assim tão relevantes para serem relembradas. E é se não disserem que mudaram as tuas fraldas e que, como tal, devias totalmente reconhecer o nome e a cara delas! Ou cumprimentam e dizem que são amigos do teu pai. Comprimentos fúteis e vazios… Eu sei, pareço uma mimada ingrata. Mas quando tens pessoas a cumprimentarem-te como Testemunhas de Jeová, apenas a sorrirem e a cumprimentarem-te por causa do teu pai, tu sabes que não és nada mais de que um animal de estimação pronta para receber festinhas só para parecerem pessoas simpáticas à frente do dono. Eles não querem saber do animal, eles querem é a atenção e aprovação do dono. Algumas Testemunhas de Jeová eram assim e eu não sinto nada por elas.

E vamos nem tentar falar das tentativas que fizeram para masculinizar-me, como “solução” para os meus problemas. Sim, não vamos falar disso, só para não esconderem as vossas cabeças na areia com vergonha. Sim, vergonhoso, doloroso e tantas vezes que tive que aguentar as minhas palavras, como felina a conter as minhas garras que estavam prontas para desfazer ou escarnecer a vossa ignorância.

Mas vamos fazer uma pequena pausa por um momento e apreciar o maior crime que cometeram, okay? Aquilo que realmente me chateou? Porque tudo o resto, eu até posso perdoar só pelo facto de estarem tão cegos com a vossa própria ignorância. Mas o que não posso perdoar é o facto de que aproveitaram-se desta situação e, após uma semana depois da minha comissão, vocês decidem retirar o privilégio do meu pai como Ancião! Não tentem fazer-se de parvinhos, eu sei como os anciãos são. É como a Guerra dos Tronos em algumas congregações e vocês aproveitaram-se desta minha situação só para remover o cargo que o meu pai teve e amava e pelo qual trabalhou por quase 40 anos. Sim, porque aquilo que faço, como pessoa adulta, significa que o meu pai tem de pagar pelos meus crimes. Isso ou porque culparam o meu pai pela minha condição. De qualquer modo, seja qual for a razão, foi um acto nojento e horrível! E quando decidi voltar a fazer aquilo que queria e ignorar as vossas ridículas tentativas de “ajuda”, eu levantei essa questão várias vezes. E todas as vezes, vocês responderam às minhas preocupações e ultraje.. com arrogância ou por simplesmente ignorarem aquilo que dizia. Ou por culparem “outros anciãos”. Ou por ficarem também zangados ou tentarem manipular a situação para fazer com que eu fosse aquela que estava a relembrar do assunto só para ter uma justificação para me rebelar contra vocês.

Não, permitem-me que explique. Essa não foi a razão. A razão é simples. Estava cansada da vossa merda. Estava cansada das pessoas falsas. Estava cansada dos vossos jogos politicos entre anciãos. Estava cansada da vossa ignorância. Estava cansada das tentativas das pessoas em tentar difamar a mim e à minha família. Dos cochichos. Nem todas as Testemunhas de Jeová são pessoas terríveis.. mas alguns de vocês são. E algumas dessas lideram. O que vos faz pensar que não existem pessoas com posições mais elevadas na hierarquia que são exactamente assim tão ruins? É muito provável que existam, não é difícil de imaginar. Visto que sou uma pessoa que nasceu dentro da organização, pelas coisas que vi.. estou confiante quando digo que existem pessoas desse género dentro de muitas congregações, Betel’s e até mesmo na sede.

 

Eu deixei de ter medo de vocês. Se existe um Deus, claramente vocês não são o porta voz dele. Aliás, eu até vou mais longe e digo que não existe humano nenhum que fale por Deus. Portanto, obrigada, Testemunhas de Jeová. Vocês tem razão quando dizem que as religiões são todas horríveis. Mas o que vos faz pensar que são assim tão diferentes das outras? O vosso orgulho em serem a organização que se preocupa com a verdade a todos os custos, não importa o quão desagradável. Bem, eu dei uma chance para aprenderem mais com respeito a situações como a minha, a verdade. Vocês não quiseram saber da verdade, como um dos anciãos disse no segundo e último comitê judicial (15 de Março de 2016), aquele pelo qual fui desassociada: “Nós não queremos saber do que a ciência diz.” Para a próxima vez que imprimirem uma revista que expõe o progresso cientifico que, por coincidência, vos é conveniente, acerca de borboletas e cenários lindos da natureza.. por favor lembrem-se de que vocês não querem saber do que a ciência diz. Portanto não estejam a dizer que os cientistas concordam com vocês e que é prova de que tem razão.. e depois, ao mesmo tempo, dizem que a ciência é má quando diz as coisas que não gostam.

Mas obrigada, Testemunhas de Jeová. Vocês ensinaram-me algumas coisas boas, portanto não vamos eludir-mos. Existiram algumas Testemunhas de Jeová boas, pessoas que foram simpáticas e que se preocuparam. Vocês ensinaram a amar a verdade, não importa o quão dolorosa seja. Eu ainda tenho isso em mente, em tudo aquilo que faço. Por isso é que segui o caminho que vi ser o correcto. E os resultados apenas confirmam ainda mais o quão certa estou.

Vocês desassociaram-me, o que significa que as Testemunhas de Jeová não podem falar comigo, formar qualquer ligação social (a não ser por razões de negócio. Que conveniente). Eu perdi a minha ligação com todas as Testemunhas de Jeová, excepto a minha família. Ainda estou surpreendida (mas grata) de que tenho permissão para falar com a minha família. Eu tenho algumas teorias da razão pelo qual isso seja possível.. mas não quero saber, eu simplesmente aceito a aprecio aquilo que tenho o máximo que posso. A economia está mal e eu não conseguiria viver por conta própria com base no meu salário actual. Se tivesse dinheiro, eu moraria noutro local, acreditem. Mas apesar de ter descrito um bom número de falhas da vossa parte, eu sei que vocês não são frios o suficiente para atirar-me fora de casa para viver na rua sem nada. E eu sei o meu lugar nesta situação, eu respeito os meus pais e mantenho os meus pensamentos para comigo própria acerca da organização e a minha nova perspectiva religiosa (ou falta dela, neste caso). Eu acredito que os meus pais estão na organização certa. Eles estão perto dos seus 65 anos, eles merecem ter uma vida mais calma e simples a partir daqui. Eu sempre irei amar os meus pais e eu sempre irei respeitar as crenças deles. As vossas crenças.

 

E depois disto tudo, depois da minha experiência como Testemunha de Jeová (e eu não detalhei tudo. Eu podia continuar a dar ainda mais detalhes mas esta carta cheia de ternura já está a ficar exaustiva e eu estou a traduzir isto tudo para Português. Sim, escrevi primeiro em Inglês), eu relembro:

Chegou à minha atenção, através de uma fonte que perguntou a uma outra fonte e que essa fonte tinha informado que eu, depois de completar a minha transição e quando os meus documentos legais reflectirem o nome pelo qual escolhi para mim própria e o género apropriado. Se eu ainda tiver amor por Jeová e a sua organização, eu poderia literalmente começar do zero, visto que o meu antigo cartão de publicadora contém o nome antigo e sexo biológico. Começar um estudo, ser baptizada pela segunda vez na minha vida.. tudo um mar de rosas e arco-iris, louva a Deus!

.. Uh-uh. Muito tentador mas, por enquanto, é um grande não. Mas não se preocupem, eu poderei ir a uma reunião ou duas algum dia destes. Para matar saudades. Ou seja, para ver umas caras familiares de longe.. visto que não posso falar com eles. E eles não podem falar comigo. Mas ao menos poderão ficar descansados ao ver que estou mais feliz~

E para aqueles que desmaiarem, visto serem elitistas preconceituosos, devido à minha nova aparência.. eu não estou lá para eles portanto tanto me faz se caírem ao chão com tanto escândalo.

 

Mas vamos imaginar que eu aceito esta.. proposta.

Sabem, quando vocês decidiram ignorar a minha própria existência, vocês sabem quem esteve lá para mim? Não foram as Testemunhas de Jeová.. mas as “Pessoas do Mundo”. Sim, essas pessoas pelo qual vocês estão sempre a dizer para não formar amizades porque eles vão nos desviar de Jeová. Os fumadores, aqueles com outra fé, as pessoas LGBT, aqueles que pensam de maneira diferente da vossa, etc…

Portanto, quando vocês me abandonaram, quando eu precisava mais de vocês, agora vocês estão a dizer que eu poderia voltar e começar tudo de novo.. e depois ouvir de vocês que todas as pessoas que estiveram comigo.. que elas são más pessoas e que eu preciso de quebrar a minha ligação com elas? OU MELHOR, começar a pregar a elas.. .. .. acerca da verdade?

 

… Sim, estou a rir. É ridículo essa proposta. Chamem-me quando começarem a respeitar a opinião das outras pessoas e quando pararem de micro manejar a vida das pessoas. Parecem um pouco tolos, digo eu. Considerando a minha experiência pessoal com muitas Testemunhas de Jeová que conheci.

 

E, assim, concluo esta carta pública com muitos abraços e beijinhos.. para aquelas Testemunhas de Jeová que realmente se preocupam. Eu estou bem, não se preocupem. Muito bem, para dizer a verdade! Eu espero que também estejam,

SapphyDe90

 

P.S. Não se preocupem. A minha lista de amigos está em privado. Se tem medo das pessoas descobrirem, não tenham. De mim, nunca irão descobrir. A não ser que seja amizade em comum. Mas isso, se vamos por aí, a outra pessoa só poderia saber se também estivesse na minha lista de amizades. Logo não poderão dizer nada sem que vocês digam que eles também estão na minha lista de amizades 😉

Pages: