[English and Portuguese] One year later… and still shunned

 

(Para quem não sabe ler Inglês, a versão em Português encontra-se no final)

 

ENGLISH

 

Good evening.

 

This blog post is going to be a little different, for it has been a year since I’ve been disfellowshipped from the Jehovah Witnesses.

No, it’s not going to be written in the same fashion as my open letter to that cult. That one had some form of debatable humor and snarkiness. The emotions were there for that kind of writing, which I half regret. Not because I don’t think they deserve it.. but because it may have came across as hostile. Not this time.. I don’t want to be wrongly labeled as an apostate, since I respect their faith (even though I no longer believe in it).

 

I wasn’t considering doing anything of the sorts as this blog post, an “anniversary” post. There’s nothing really to celebrate here, but only to reflect. But something happened on the 13th March this year.. almost on the 15th March (which was the day and month I got disfellowshipped, back in 2016). My family tried to emotionally manipulate me. A simple action that brought me to tears when I was tricked and shown my former best friend, a Jehovah Witness. And then victim blamed by my own family, that I’m the one to blame for the shunning. The one to blame for the fact that my former best friend won’t talk to me. That my friend.. and all the people I once knew and talked to since I was child, I’m the one that knew the consequences when I was baptized at the age of 11. That, after baptism, if I decided to walk my own path, I would be shunned.

I won’t go into detail about how it was when I was a Jehovah Witness. My open letter does a good job at making a quick summary. Instead, let us talk about how my life has been after that.

 

 

Obviously, I went ahead and continued with my goals. My transition is coming along quite well! I have gained a lot from it and will continue to attain even more happiness from it. Unfortunately, you won’t be around to witness it closely. Though that’s not really something that affects me that much. I can live with that sadness.. or should I call it for what it is? Pity. Some of you are such great individuals and it is sad to see that you have chosen to repress your humanity and critical thought because you have believed and you fear for a revengeful God that will smite you down in Armageddon unless you follow blindly the words of some men.

And no, I’m not trying to persuade anyone to abandon their faith, if that’s what they want to keep. I’m lamenting, since I do still love some of you very very much and I want you to be happy as well. Most of you suffer depression, I know. Such a burden, to abandon your own inner child just for a false sensation of fulfillment and unity. Yet, you are judged on every step you take. Never perfect enough, never doing enough to please the organization. Abandoning your jobs to do more preaching. Not resting enough. Always listening and hearing the same voices over and over, voices that you sometimes don’t even want to hear! But you have to, because you are in it together. Yet you listen to men that have no idea how the human mind works, instead of the psychologists and psychiatrists who went to college to get their degrees. Degrees you don’t have, because you had to abandon everything to do even more, to be more perfect.

 

It’s fine.. I’ve looked back less and less along the year. Except for the last few months but that’s obviously because there has been a few.. emotional and psychological changes. Plus, you have been provoking me, by using my parents. Emotional blackmail, manipulation.. you know I love my family more than anything else. I am thankful, very grateful that, despise everything, you have allowed me to stay with my parents. However, I would be lying if I didn’t say that it has become a major fear of mine that, one day, a group of elders is going to pressure my parents to kick me out of the house.

As I’ve mentioned on the open letter, I have a few theories as to why. Maybe it’s because of the economic crisis we are facing here in this European country, thus you realize that I just can’t survive on my own, with the kind of money I earn.. even with a job. Maybe it’s because you think that I’m insane, given your ignorance about my own predicament that you have avoided to do some research about.. since the world is “controlled by Satan” and thus everything that goes against your believes must be wrong and manipulative, period! Or maybe because you have hope that my parents will be able to persuade me, to come back. After all, I was someone quite dear to a lot of the local Jehovah Witnesses on this area.

Or maybe.. you do have a heart. Maybe you do realize that there is something not quite right with the way things were handled. After all, my family left the congregation and joined another on a different area.. just a few months after the announcement. I know they were unhappy with how things were “solved” in that previous congregation. And I agree, even for Jehovah Witnesses standards, you dealt with my own case sooo poorly and sourly! You just wanted to strip away my father’s privilegies, didn’t you? And once that was done, you acted more formally.. less preoccupied. It’s like you no longer cared that much for what happened afterwards. That is.. until the congregation got new elders, then they were the ones that got worried and that’s when I was disfellowshipped.

But hey, my parents are happier in the new congregation. Good on them! They are in their 60’s, they deserve a calmer and simpler life from now on. And I’m sure some of those elders from the former congregation are happier too without us. Can’t say the same about some of the local baptized publishers.. .. hmm.

 

 

To conclude this blog post, I want to talk about what made me decide, on the last second, to write this blog post instead of getting ahead with my third month update (as in, related to my transition). I’m sorry, but this became a sudden priority over that post. I’ll write a late third month update on the next weekend though!

It’s good to note that this was quite coincidental. It’s the 13rd of March, as I write this. Translating all of this to Portuguese on the 14th. I didn’t had this planned on my mind at all, even though I was aware that we were near the 15th of March.. and the meaning behind that day. Actually, funny story. I was baptized on the 15th of February 2002. Disfellowshipped on the 15th of March 2016. I also started my transition on the 15th of December 2016. The number 15 is starting to symbolize something in my life, at least that’s the pattern! Anyway..

 

It was a Monday. I left work a bit early because, again, I had yet another appointment. It makes me feel bad for having to leave work sometimes, because of health related aspects. Fortunately, the people I answer to, they know it’s simply something I have to do. To go. So I left, to travel home and eat before the appointment. It was important to eat before this appointment, for reasons that I will not go into detail.

I had little time to be at home. However, after eating dinner, I found myself around 10 minutes to sit on the living room before walking off to my appointment. My parents were there, I was checking on my phone and messaging a friend of mine.

Suddenly, my father calls for my attention and I gaze over to what he wanted to show me. From afar, I saw the face of someone I haven’t seen for years.. my former best friend, a Jehovah Witness that lives in the United States, California (near LA). I couldn’t see her face properly from afar, the quality of the youtube video he was showing was bad and I do need better glasses (I’m short-sighted).. but I knew that face. I narrowed my eyes because I couldn’t believe that I was watching her. But then, from his headphones, I heard her singing and playing the piano. She loved playing the piano.. and singing.

My heart felt, together with a longing feeling of nostalgia. I had to look away.. acted dismissively to what my father was trying to show me. “I don’t want to see that.. why are you showing me this?” But even though I wasn’t looking, he didn’t lower the volume from his headphones. I could still hear her. I had to look back.. telling him to lower the sound. I had to repeat that a good number of times, because he didn’t hear me or didn’t understood me. Until I had to say “I don’t want to hear or see that as long I’m in this room, please.. get that video away from me.”

He acted offended.. probably because I somehow raised my voice and sounded like I was ordering him, instead of understanding that what he was showing was causing me distress. But he turned it off, and I reluctantly thanked him.

 

In that brief silence, I started to remember the good moments I had with her.

The things we talked, the things we laughed about. Of the things we shared, the things that made me suffer, the things that made her suffer. Her goals, my goals. All over the internet.. until I went on a vacation by myself to LA, in August/September 2010.

For three weeks, I slept and shared her family’s house. I hardly spent a dollar, except for the plane tickets I bought to get there and later come back, a meal or two at best, one souvenir and Disneyland tickets that I bought for myself and her (it was the minimal I could do, considering how much I saved money from everything). The people I’ve met, her friends. The places we went together, the memories. The silly things she and I did..

Her family was awesome as well! Her parents treated me like one of their own children. Even at one time, when I started to lose my senses after the first week, when we were out having dinner with a large group of people that were their friends. I was aided back to their car and was treated with special care until I lied in bed to sleep and recover (extremely long travels affect you). Her younger sister, a delight and polite child back then (must be a teen right now).

When I tried to mimic their Spanish accent (She was American, but her parents were Mexican immigrants), so that I could be able to read their language correctly. When they asked me to sing in my own language.. and I did horribly but they were fascinated anyway because they were hearing Portuguese straight out of a Portuguese native in their own backyard on a summer night.

When the last day came and I cried.. tears of both happiness and also of sadness. Because I wouldn’t be able to see them anytime soon. But a promise was formed, they were going to visit Portugal in 2012 during their planed European trip.. and they did.

Two years after, I saw them again face to face in my own house. They didn’t pay for much, just the same way I didn’t pay for a lot when I was there. The amazing car travel we did between Portugal to Barcelona (Spain), for them to catch their cruise across the Mediterranean Sea and visit a few other European Countries. Such an adventure, I had my driver licence less than a year and still I drove, with my father leading the way in his own car.. given that we brought two cars for the two families and they couldn’t drive in Europe.

The tan I’ve gained from that trip that lasted me a full year (not even joking). The things we talked again, the laughter and the jokes. I still remember very well when we were close to Madrid, a 100 KM long slow traffic to reach it, lasted four to five hours. An elderly Spanish family was looking at us, in their own car next to us. They smiled at us.. but the man sneezed. My friend turned to me, saying that he was probably allergic to youth. For some reason.. that made me laugh for 30 minutes to the point that everyone in the car felt awkward about it. I was laughing.. because I was happy. I didn’t wanted it to end..

But it ended, when we reached Barcelona. Both my family and theirs shared hugs, tears.. and a promise was left in the air. That next time, my whole family would visit the US, instead of just me…

That last promise.. it never happened.

 

She got herself busy, trying to get a job after finishing her education. Then started to dedicate herself more to what used to be the same believes as mine. She started to learn other languages, to become a better publisher.

I came out to her, about my own predicament. She was there, she listened.. though her advises weren’t exactly helpful. But her attention was. Her intentions were good.

She shared more of her own worries, about how some of her close friends and even crushes were getting disfellowshipped, or moving elsewhere to another congregation or country. This.. at a time that I knew it was eventually going to happen to me. I knew I was going to make her suffer more.. but I comforted her, said the things a Jehovah Witness always says in these situations. She thanked me..

That was the last meaningful talk we had. She got herself too busy and, after that encounter, I stopped answering her messages too. I wanted our bond to fade away slowly with time, before the inevitable. So that we could both.. maybe suffer less.

When I was disfellowshipped, by coincidence, she decided to reactivate her Facebook account just a few days afterward. She always said that Facebook was a distraction for her spiritual goals, but now that I look back, I believe Facebook reminded her of those friends she had lost in her life. She didn’t know.. she didn’t know I was disfellowshipped. She started interacting with my posts on Facebook.. and I had to tell her.

Her reaction and the last words I’ve heard from her, over at Facebook:

“I understand… I appreciate you informing me… Unless you decide to change your mind later on, I must now say goodbye. Goodbye.”

 

It was over, because I told her I was disfellowshipped. She suffered, the same way she suffered when all of those former friends moved on with their lives elsewhere or also got disfellowshipped.

And I too suffered.. and continue to suffer.

In the meantime, I’ve also learned that her mother got cancer. Of course, I couldn’t do anything about it. Not even send my best wishes to the family. I don’t know what type of cancer. I don’t know.. a lot.

 

When I heard her sing on youtube, when I saw her face.. the way she played the piano. It felt that she was in pain. I’ve felt that she was not only singing.. but she was releasing the pressure within. Or maybe.. it was all my imagination, that maybe I was the one in pain at that moment when all of those memories came to mind, projecting my emotions onto her. Maybe wishing that she, too, missed me.

 

 

After all that, I cried.. and all I’ve heard was my mother blaming me, that I shouldn’t be crying because I knew what was at play when I “decided” to walk my own path. Needless to say that we argued. And I obviously didn’t went to the appointment at the end..

 

… This is how shunning feels like. Tears, nostalgia, pity, loss, sadness, anger, rebellion. For a Jehovah Witness, you become less of a human, you are worst than dirt. You are a corpse that will never sink under the ground. Like a body that has been possessed by a demon, you are a walking mongrel that brings bad memories to the faithful and righteous Jehovah Witnesses. Completely selfish and evil. Your feelings don’t matter. What matters is that the Jehovah Witnesses suffer just by your presence. If you are suffering, it’s your fault.. no matter what. “You know what you did, it was a choice, you choose to abandon us. So you shouldn’t be crying and complaining.”, that’s what they’ll say.

 

You’re.. cruel, Watchtower. So very cruel! Using my friends and family as emotional blackmail.. how dare you.

 

 

P.S. I still have the gift my former friend gave to me when she visited me and my family in Portugal. It has been resting on my desk, always on a visible spot.

 

 

 

PORTUGUÊS

 

Boa tarde.

 

Este post vai ser um pouco diferente, visto que já fez um ano desde que fui desassociada das Testemunhas de Jeová.

Não, este post não vai ser escrito da mesma forma que a minha carta aberta para o culto. Aquele post continha algum humor e sarcasmo questionável. As emoções que tive no momento foram oportunas para esse estilo de escrita, pelo qual arrependo-me um pouco. Não porque pense que eles não o mereceram.. mas porque poderia ter sido interpretado como uma mensagem hostil. Desta vez não.. eu não quero ser acusada erradamente de ser uma apóstata, porque respeito a fé deles (apesar de a não compartilhar).

 

Eu não estava a considerar fazer algo de especial como este post de blog, um post de “aniversário”. Não existe grandes motivos para celebrar, mas apenas para reflectir. Mas algo aconteceu no dia 13 de Março deste ano.. perto do dia 15 de Março (o dia e mês pelo qual fui desassociada, em 2016). A minha família tentou manipular-me em termos emocionais. Uma simples acção que me fez chorar visto que fui enganada a ver a minha antiga (melhor) amiga, uma Testemunha de Jeová.  E depois fui acusada pela minha própria família, de que eu é que tinha culpa das Testemunhas de Jeová evitarem qualquer tipo de contacto comigo. A culpada da minha amizade antiga não falar comigo. Que a minha amiga.. e todas as pessoas que conhecia e falava no passado desde a minha infância, eu sou aquela que sabia as consequências quando fui baptizada aos 11 anos de idade. De que, depois do baptismo, se eu decidi-se caminhar o meu próprio caminho, que toda a comunicação seria cortada com as Testemunhas de Jeová.

Eu não irei detalhar o meu passado quando era uma Testemunha de Jeová. A minha carta aberta faz um bom resumo. Em vez disso, vamos falar de como tem sido a minha vida após a sentença.

 

 

Obviamente, eu continuei com os meus objectivos. A minha transição tem corrido bastante bem! Eu estou a ganhar muito com este tratamento e irei continuar a adquirir ainda mais motivos para sentir-me feliz. Infelizmente, as Testemunhas de Jeová não irão presenciar essas mudanças positivas de perto. Mas não é algo que me afecta assim tanto. Eu consigo viver bem com essa tristeza.. ou será que deveria chamar este sentimento pelo nome correcto? Pena. Alguns de vocês são indivíduos maravilhosos e é bastante triste ver que vocês escolheram reprimir a vossa própria humanidade e pensamento crítico porque vocês preferem acreditar e de ter receio de ser punidos por um Deus vingativo durante o Armagedom, a não ser que sigam de perto e cegamente um grupo de homens imperfeitos como o resto.

E não, não vou persuadir ninguém a abandonar a sua fé, se é isso que querem manter. Eu lamento, porque eu ainda amo alguns de vocês e desejo a vossa felicidade também. Alguns de vocês sofrem de depressão, eu sei. O peso, de terem abandonado a criança que vive em vocês apenas para obterem uma falsa sensação de realização e de fraternidade. Mesmo assim, vocês são julgados por tudo aquilo que fazem e dizem. Nunca suficientemente perfeitos, nunca fazendo o suficiente para a organização. Abandonando os vossos trabalhos para pregar ainda mais. Falta de descanço. Sempre a ouvir as mesmas vozes vez após vez, vozes que até mesmo nem querem ouvir mais! Mas têm que ouvir, porque estão unidos na fé. Apesar de terem que ouvir a homens que não fazem a menor idea de como a mente humana funciona, em vez de ouvirem os psicólogos e psiquiatras que estudaram nas suas universidades para obterem o diploma. Diplomas que não tem, porque tiveram que abandonar tudo para fazerem ainda mais, para serem mais perfeitos.

 

Não há problema.. eu tenho olhado menos para trás ao longo deste ano. Excepto nestes últimos meses mas isso é porque obviamente tem existo algumas.. mudanças emocionais e psicológicas. Ainda mais, vocês tem estado a provocar-me, usando os meus pais. Chantagem emocional, manipulação.. vocês sabem bem que eu amo a minha família acima de tudo. Eu estou grata, muito grata que, apesar de tudo, vocês permitiram que eu fica-se com os meus pais. Mas estaria a mentir por omissão se não dissesse que um dos meus maiores medos tornou-se a possibilidade de, um dia, um grupo de anciãos decida pressionar os meus pais para mandar-me fora de casa.

Como mencionei na carta aberta que escrevi, eu tenho algumas teorias pelo qual vocês decidiram assim. Poderá ser devido às condições económicas deploráveis que vivemos no nosso pais Europeu, logo sabem que eu nunca conseguiria sobreviver por conta própria, com o dinheiro que ganho.. mesmo com um trabalho. Também poderá ser porque acreditem que sou maluca, devido à vossa ignorância com respeito ao meu dilema, pelo qual não fizeram a vossa pesquisa.. visto que o mundo é “controlado por Satanás” e logo tudo o que vai contra as vossas crenças deve ser errado e manipulativo, ponto final! Ou se calhar porque vocês tem esperança que os meus pais irão convencer-me, para voltar à organização. Afinal de contas, eu fui alguém muito querida para muitas Testemunhas de Jeová nesta localidade.

Ou se calhar.. vocês até tem um coração. Poderá ser que tenham percebido que algo não esteve bem na forma pelo qual o meu assunto foi manejado por vocês. É bom notar que a minha família saiu da congregação e juntaram-se a outra numa localidade diferente.. apenas alguns meses depois do anúncio. Eu sei que eles ficaram tristes com a forma como as coisas foram “lidadas” na congregação anterior. E concordo, mesmo de acordo com os princípios que as Testemunhas de Jeová seguem, vocês lidaram mal com o meu caso, com frieza! Vocês queriam apenas retirar os privilégios do meu Pai, não é? E assim que o fizeram, vocês agiram de forma mais formal.. com menos preocupação e cuidado. Até parece que vocês não queriam mesmo saber do que poderia acontecer após isso. Isso é.. até que a congregação recebeu novos anciãos, então aí sim ouve preocupação, acabando na minha desassociação.

Mas não há problema, há males que vem para o bem, os meus pais são mais felizes na nova congregação. Ainda bem para eles! Eles já estão nos seus 60’s, eles merecem uma vida muito mais simples e calma a partir daqui. E tenho a certeza que alguns desses anciãos da congregação antiga até estão contentes sem nós. Não posso dizer o mesmo com respeito a alguns dos publicadores baptizados.. .. hmm.

 

 

Para concluir este post de blog, eu quero falar acerca daquilo que me fez decidir, no último segundo, escrever este post em vez de adiantar a terceira actualização mensal (isto é, no que diz respeito à minha transição). Peço desculpa, mas isto tornou-se uma maior prioridade. Eu irei escrever essa actualização tardia no próximo fim de semana!

É bom notar que isto foi uma pura coincidência. É dia 13 de Março, neste preciso momento. Traduzindo tudo para português no dia 14. Eu não tinha planeado nada, apesar de estar consciente que estamos perto do dia 15 de Março.. e o significado desse dia. Aliás, curiosamente, eu baptizei-me no dia 15 de Fevereiro de 2002. Desassociada no dia 15 de Março de 2016. Eu também comecei o meu tratamento no dia 15 de Dezembro de 2016. O número 15 está a conter um significado especial na minha vida, pelo menos é esse o padrão! De qualquer forma..

 

Foi uma segunda feira. Eu saí mais cedo do trabalho porque, de novo, tinha uma marcação. Sinto-me culpada o ter que sair do trabalho assim tantas vezes, por motivos de saúde. Felizmente, as pessoas pelo qual lido no local de trabalho, elas sabem bem que é algo que tenho de fazer. De ir. Por isso eu saí, para voltar a casa e comer antes da marcação. Era bastante importante comer antes da marcação, por motivos que não vou entrar em detalhe.

Eu tive pouco tempo para estar em casa. Mesmo assim, depois do jantar, eu consegui arranjar 10 minutos para sentar-me na sala antes de ter que sair. Os meus pais estavam lá e eu estava a ver o meu telemóvel, a escrever para uma amiga minha.

De repente, o meu pai chama-me, pedindo atenção. Eu dou-lhe, olhando para aquilo que ele queria mostrar. De longe, eu vi a cara de uma pessoa que já não vejo à alguns anos.. a minha melhor amiga, de outros tempos. Uma Testemunha de Jeová que vive nos Estados Unidos, Califórnia (perto de Los Angeles). Eu não consegui enxergar bem a cara dela, a qualidade do vídeo do youtube que ele estava a mostrar era mau e eu estou mesmo a precisar de uns óculos novos (sou míope).. mas eu reconheci a cara. Eu ajustei a minha visão porque eu nem estava a acreditar que estava a ver a ela. Mas, dos headphones do meu pai, eu ouvi ela cantar e a tocar o piano. Ela amava tocar o piano.. e também de cantar.

O meu coração caiu-me aos pés, juntamente com as saudades. Eu tive que olhar para outra direcção.. agir de forma desconsiderada ao que o meu pai estava a tentar mostrar-me. “Eu não quero ver isso.. porque é que estás a mostrar-me isto?” Mas mesmo apesar de não estar a olhar, ele não baixou o som dos headphones. Ainda conseguia ouvi-la. Eu tive que olhar de volta.. para dizer-lhe para abaixar o som. Eu tive que repetir várias vezes, porque ele não tinha-me ouvido ou não tinha percebido. Até que tive de dizer “Eu não quero ver ou ouvir isso enquanto estiver nesta divisão, por favor.. tira esse video da minha frente.”

Ele agiu de forma ofendida.. provavelmente porque eu aumentei o tom da minha voz e isso deve ter sido interpretado como uma ordem, em vez de ser entendido como um momento de aflição associado ao que ele estava a mostrar-me. Mas ele pausou o video, e eu relutantemente agradeci-lhe.

 

Naquele momento de silêncio, eu relembrei-me dos bons momentos que tive com ela.

As coisas que falámos, as coisas pelo qual nos fizeram rir. As coisas que partilhámos, as coisas que fizerem-me sofrer, as coisas que fizeram-lhe sofrer. Os meus alvos, os alvos dela. Tudo pela internet.. até que fui de férias sozinha para Los Angeles em Agosto/Setembro de 2010.

Durante três semanas, eu dormi e partilhei a mesma casa que a família dela. Eu mal gastei um cêntimo, excepto o dinheiro que gastei nos bilhetes de avião, uma refeição ou duas, um souvenir e dois bilhetes para a Disneyland que comprei para mim e para ela (era o mínimo que poderia fazer, considerando o dinheiro que poupei com quase tudo). As pessoas que conheci, as amizades dela. Os locais que fomos juntas, as memórias. As tolices que ela e eu fizemos..

A família dela também foi um espanto! Eles trataram-me como se fosse filha deles. Mesmo naquela vez, quando comecei a perder os meus sentidos após a primeira semana, quando estávamos a jantar fora juntamente com um grupo enorme de pessoas que eram amigos deles. Fui ajudada de volta para o carro deles, tratada com carinho e preocupação até ao momento que deitei-me numa cama para dormir e recuperar (as viagens longas afectam as pessoas). A irmã mais nova, um amor e muito bem educada (agora uma adolescente sem dúvida).

Quando eu tentei imitar o sotaque Espanhol-Mexicano deles (Ela era Americana, mas os pais dela eram Mexicanos imigrantes), para conseguir ler a língua deles correctamente. Quando eles pediram para cantar na minha própria língua.. pelo qual fiz horrivelmente mas eles estavam fascinados porque eles estavam a ouvir Português directamente de uma Portuguesa nativa, no quintal deles durante uma noite de verão.

Quando chegou o último dia e eu chorei.. lágrimas de alegria e de tristeza também. Porque eu não iria os ver durante muito tempo. Mas foi feita uma promessa, de que eles iriam visitar Portugal em 2012 durante a sua viagem de sonhos pela Europa.. e eles o fizeram.

Dois anos depois, eu os vi de novo cara a cara na minha própria casa. Eles não pagaram muito, tal e qual como eu não paguei muito enquanto eu estive lá. A viagem de carro maravilhosa que fizemos entre Portugal e Barcelona (Espanha), para eles apanharem o cruzeiro que iria viajar pelo Mar Mediterrâneo e visitar alguns países da Europa. Uma aventura única, eu tinha a minha carta de condução à menos de um ano e mesmo assim conduzi, com o meu pai a liderar no próprio carro dele.. visto que as duas famílias foram juntas e eles não podiam conduzir na Europa.

O bronze que adquiri naquela viagem que durou um ano inteiro (não estou a brincar). As coisas que falámos de novo, as gargalhadas e as piadas. Eu ainda me lembro bem quando estávamos perto de Madrid, a 100 KM e com uma fila lenta à nossa frente que durou entre quatro a cinco horas. O casal Espanhol idoso a olhar para nós, no seu próprio carro ao lado de nós. Eles a sorrirem para a nossa direcção.. até que o homenzinho espirrou. A minha amiga virou-se para mim, dizendo que ele provavelmente era alérgico à juventude. Por qualquer razão.. isso me fez rir durante 30 minutos ao ponto que toda a gente no carro sentiu-se embaraçado com a situação. Eu ria-me.. porque sentia-me feliz. Eu não queria que essa felicidade acaba-se..

Mas chegou a acabar, quando chegamos a Barcelona. As nossas famílias abraçaram-se, partilharam lágrimas.. e uma promessa ficou no ar. Que para a próxima vez, a minha família inteira iria visitar os Estados Unidos, em vez de apenas eu…

Essa última promessa.. nunca foi comprida.

 

Ela ficou ocupada, a tentar arranjar um emprego após o curso. Depois ela começou a dedicar mais tempo naquilo que pelo qual ambas acreditávamos. Ela começou a aprender outras línguas, para se tornar uma publicadora melhor.

Eu falei-lhe com respeito ao meu dilema. Ela esteve lá, a ouvir.. apesar dos conselhos dela não serem de grande ajuda. Mas a atenção dela ajudou. As intenções eram boas.

Ela partilhou mais as coisas que lhe preocupavam, acerca das amizades próximas que ela tinha e até mesmo paixonetas que foram desassociadas, ou mudaram para outra congregação ou país. Isto.. numa altura em que eu já sabia que o mesmo me iria acontecer cedo ou mais tarde. Eu sabia que iria fazê-la sofrer mais.. mas eu dei o apoio moral e emocional que ela necessitava, dizendo as coisas que uma Testemunha de Jeová diria numa situação dessas. Ela agradeceu-me..

Essa foi a última conversa significativa que tivemos. Ela continuou a ocupar-se e, depois daquele momento, eu também deixei de responder às mensagens dela. Eu queria que a nossa amizade fosse quebrando aos poucos com o tempo, antes do inevitável. Para que ambas pudéssemos talvez.. sofrer menos.

Quando fui desassociada, por coincidência, ela decidiu reactivar o Facebook dela uns dias depois. Ela sempre dizia que o Facebook era uma distracção para os alvos espirituais dela, mas agora que olho para atrás, eu acredito agora que o Facebook lhe fazia relembrar das amizades que ela foi perdendo ao longo da vida. Ela não sabia.. ela não sabia que tinha sido desassociada. Ela começou a interagir com os meus posts no Facebook.. e eu tive que lhe dizer.

A reacção dela e as últimas palavras que ouvi dela, por Facebook:

“Eu percebo… eu agradeço o teres informado a mim… A não ser que decidas mais tarde mudar de ideias, eu tenho que te dizer adeus. Adeus.”

 

E acabou assim, porque lhe disse que tinha sido desassociada. Ela sofreu, da mesma forma que ela sofreu quando todas as outras amizades seguiram as suas vidas ou também foram desassociados.

E eu também sofri.. e continuo a sofrer.

Durante este tempo, eu vim a saber que a mãe dela tem cancro. Claro, eu não podia fazer nada com relação a isso. Nem sequer enviar os meus melhores desejos para a família. Eu não sei que tipo de cancro ela tem. Eu não sei.. muita coisa.

 

Quando eu ouvi-a cantar no youtube, quando eu vi a cara dela.. a forma que ela tocava o piano. Eu senti que ela estava a sofrer. Eu senti que ela não estava apenas a cantar.. mas que estava a livrar-se da pressão dentro dela. Ou se calhar.. foi tudo minha imaginação, se calhar eu era a pessoa que estava a sofrer naquele momento quando aquelas memórias vieram ao de cima, projectando as minhas emoções nela. Se calhar desejando que ela, também, senti-se minha falta.

 

 

Depois disso tudo, eu chorei.. e tudo o que ouvi foi a minha mãe a culpar-me, de que eu não deveria estar a chorar porque eu sabia bem o que estava em risco quando eu “decidi” caminhar o meu próprio caminho. Escusado dizer que nós discutimos. E eu obviamente já nem compareci para a marcação que tinha..

 

… Isto é o que uma pessoa sente após uma desassociação. Lágrimas, saudades, pena, perda, raiva, revolta. Para uma Testemunha de Jeová, tu perdeste o valor como uma criatura humana, és pior que o pó do chão. Tu és como cadáver que nunca mais volta para a terra. Como um corpo possuído por um demónio, tu és uma desgraça que transporta as más memórias cada vez que uma Testemunha de Jeová fiel e reto olha para ti. Completamente egoísta e má. Os teus sentimentos não importam. O que importa é que as Testemunhas de Jeová é que sofrem pela tua presença. Se estás a sofrer, a culpa é tua.. não importa o que se diga ou faça. “Tu sabes bem o que fizeste, foi uma escolha, tu escolheste nos abandonar. Portanto nem devias estar a chorar e a queixar-te.”, isto é o que eles te dirão sempre.

 

Vocês são.. cruéis, Watchtower. Tão tão cruéis! Usando as minhas amizades e família como chantagem emocional.. como se atrevem.

 

 

P.S. Eu ainda tenho o presente que a minha antiga amiga me deu quando ela e a família dela visitaram-me a mim e a minha família em Portugal. Tem estado na minha secretária, sempre num local visível.

Pages: