[English and Portuguese] Transitioning – Recommence Update

 

(Para quem não sabe ler Inglês, a versão em Português encontra-se no final)

  • 1st Month/ 1º Mês – Link
  • 2nd Month/ 2º Mês – Link
  • 3rd Month/ 3º Mês – Link
  • 4th Month/ 4º Mês – Link
  • 5th Month/ 5º Mês – Link
  • Withdrawal Update – Link
  • Second Withdrawal Update – Link

 

ENGLISH

 

Good evening!

You read it correctly. The treatment will continue, under new medication! Rejoice~

Of course, it has been a long while since I’ve made these updates. If you are one of my older followers and an often reader of most buffoonery I spew on my website and social media, you are probably wondering about how I’ve been doing. Or perhaps not, perhaps you are merely curious and nosy. Regardless of genuinity and perception, you are welcome. My last update was written on August 17th. I began my therapy on the 15th of December 2016, had to forcefully stop on May 11th 2017. I’ve resumed my therapy yesterday, on November 17th 2017. It may not have been on the 15th, as pattern to most of my meaningful events in life.. but I digress, given how I didn’t had to wait for December this time.

 

In this post, as I’ve became aware with time as someone who casually and seasonally creates blog posts, the best format for these updates is to be first and foremost direct to the point. Then, after the updates, the highly emotional drivel that I personally feel need to share regardless of people’s interpretation. Again, I’m aware that not many are keen to read such type of “emotional pornography”, as I heard someone criticize me once privately. Crude remarks aside, I do admit that I do enjoy writing in what most writers would like to describe as a “stream of consciousness”, as another critic evaluated my writing.

 

 

After August, I was unable to maintain my job and had to, unfortunately, cease it. Many people tried to advise me against such but, as always, I ended up doing what I felt to be the right thing to do without regrets. Yes, I have no regrets on such regard, for it was needed. As such, when September loomed, I remained most of my time at home for obvious reasons.

To no one’s surprise, I hope, most of the aspects from before my transition came back, emotionally and physically speaking. Which is why I avoided almost everyone. Whenever or not those people that tried to approach me to no avail feel certain discontempt over my deliberate lack of response, it was necessary to do so. I do believe that the most sensible will understand why exactly have I abstained from society at large. As far as people agree with my approach to such predicament or not, that is little of my concern. I am an adult, dealing with abnormal issues after all and people need to realize that there are things they’ll never understand and thus only have to accept that they don’t know how it feels and how one should act in such situations.

 

I had an appointment with my Endocrinologist at the beginning of November. Another blood exam given and an overall disappointment with my doctor. Though I would rather not disclosure the overall ineptitudes from our appointments, I have started to contemplate on other known Endocrinologists.

On the 10th, I had my first Gastroenterologist appointment within the public healthcare. The values.. have not lowered. In fact, they have risen beyond even the results set on May!
However, though it’s certain that the former medication had provoked such values, something else is keeping those values high. They should had lowered, given the lack of any type of medication. Despite such, I am now under the gaze of this new Gastroenterologist. She will be watching over those values, to solve a mystery. She has a few theories, though she is waiting to see any evolution or new symptom. Given the lack of symptoms, she cannot act or form any accurate diagnosis. It could be the two centimeter stone on my gallbladder, it could be an awful genetic makeup who merely cannot cleanse the liver at a normal pace. She also suggested that it could be related to the thyroid, though the Endocrinologist denies any correlation with it since, according to past blood exams, my thyroid is fine.

At the end of the appointment, my Gastroenterologist found no issues with resuming my treatment, despite the values. To which made me more than glad to give the good news to my Endocrinologist on the 16th. Cornered by the fact two Gastroenterologists agreed that I could resume my therapy, she had no choice but to prescribe new Testosterone Blockers!

 

Cyproterone wasn’t a good medication to be used. After all, such values were not a surprise to the Gastroenterologist, since she had seen similar values on at least three cases of elderly men with prostate issues who took the same medication. It is no wonder such medication is banned in the United States, there are better alternatives. To which is why I’m beginning to question my Endocrinologist and contemplating on a more capable professional. We’ll see..
Either way, though I will not reveal the name of the new medication, I was told that it will work the same way as the previous medication. Though I’m taking a lower dosage to test my reaction to it at first, the only side effect I should be concerned about is associated with my blood pressure. It may lower it, though after my Endocrinologist questioned my blood pressure and I’ve told her my history and overall values, she felt that I should be fine.

 

With this new medication, my Endocrinologist advised me to focus on things that make me happy. Avoid stress, healthy diet, good sleeping patterns. Of course, I won’t take such advise lightly.. for I am trying my best to do so. Though, to be honest, it doesn’t only depend on me.
I’ll have more regular exams in the next few months, a more careful approach from the doctors. It is reasonable and I do feel that my Gastroenterologist is quite experienced. As for the Endocrinologist, I’ll have to try elsewhere privately.

As far as income, I do believe March is a good month to begin working once again.. if my co-workers agree with such. If such is not possible for whatever reason, I will have to find a new one once I get my new ID eventually. Which brings me to a rather peculiar and frustrating revelation.

 

In Portugal, to change one’s identification (Name and Sex), one needs to have two verified specialists to sign and vouch that the diagnosis for gender dysphoria is correct. I already had my two psychological tests done and signed by two entire different teams on separate hospitals.. for quite a few years. All that is left is a paper with two signatures, to be sent to the right people to open a case and change my identification legally.
Political opinions aside, as I am personally of the opinion that one should be diagnosed with gender dysphoria to legally change such documentation; I could had my new ID a long time ago. Unfortunately, one of the doctors was stubborn enough and desired for one of his colleagues to sign the paper.. despite the fact she wasn’t on the list of verified doctors to do so. He claimed that she was and that the public list was merely not updated yet. However, to my surprise, as the list was updated in September.. not only is his colleague’s name not there.. his name was taken away. Together with a supposed surgeon that I had planned. In short, I need other people to sign it.

I would like to believe those two names were taken out of the list given that the psychologist in question is, in my opinion and of other many, not a capable professional to deal with such issues. As for the surgeon, he was recently caught on national news for being part of a major fraud. Whenever or not those news are true or merely political driven by people with conflicting views that wish for a change in the way Transsexuals are handled in the country in favor of people that claim to be Non-Binary and/or lack gender dysphoria yet desire to change their ID.. is still a mystery and I rather not dwell on conspiracies. I rather focus on my own therapy for now.

As such, given my need to change my ID to find a new job, in case my former co-workers do not wish me back for whatever reason (for legit reasons or not, doesn’t matter, not pointing fingers); I will try to find one of the Endocrinologists that is part of the list of people that can sign. That way, I can solve two issues with only one doctor’s appointment! We’ll see if I can get an appointment still in November with a new Endocrinologist.

After all, without a steady monthly income, I’ll be unable to carry on with my transition. And that would be devastating! So, given the uncertainty of my employers towards March, I would appreciate any suggestions for a possible new source of income in case such becomes needed. It’s important that I have my new ID beforehand, of course. As far as Portfolios go, I will be sure to create one in case it has been established that my employers do not desire my services (since I do need to pay a single visit to the office to gather all the files needed to create such Portfolio).
I am a Graphic Designer that also knows a little of Web-Design. However, as any “millennial” knows, we can’t give ourselves the luxury of limiting ourselves to a specific field. As such, any reasonable job is welcomed within the area I live in (as vague that might seem to some).

 

As far as the therapy that I have begun and what to expect, if nothing wrong happens, I already know what is coming.. and so are you, reader. In the next few months, the changes will happen. The same effects that have been written before will happen once again, at the same pace and order. The same temporary physical pains and wonders, except with less amazement since I already know what’ll happen and when. All I can do is be glad that I am going back to how I was and, hopefully, will go beyond this time!

The doctor said to focus on things that make me happy, to which I will. Unlike the “first season”, I will try to enjoy myself and the things that I genuinely want to do in life without delay or expecting things to get better. I am 27 years old, I want to finally live my 20’s while I’m still.. well, in my 20’s. Of course, such isn’t possible without my treatment, as many would like to claim that absolutely nothing stopped me from enjoying life. Those people know not of what they are talking about, obviously.

Now we’ll get to the sentimental part of the blog post.
I do warn though, dear reader. Don’t read the following part if you are struggling with depression yourself.

 

 

Every Transsexual knows how frightening is the idea of “de-transitioning” for whatever reason. The very few that I’ve talked to.. they could only imagine the pain I’ve been through during this time between May and November. It felt like an eternity, much longer than the time I’ve felt between December and May. It can get quite lonely and, honestly, I’ve never felt so biter! Darker thoughts came to mind, into great detail and planning. Such ideas were welcomed instead of shuttered, it gave peace of mind to imagine the freedom it would provide from everything that was happening.

 

Mental Illnesses are.. incredibly misunderstood by the general population. When you are sick, or you break a bone or body part, people tend to understand you better and form more empathy towards you. Yet a mental illness, for some reason, is easily discarded as something someone should easily handle. When someone breaks an arm, no one asks the person to “ignore” the pain in their arm and to use it as if nothing had happened. Yet, a mental illness, people expect you to have a normal life and to react to situations like a healthy person would. It’s.. unfair.
I always knew that, of such reality and fact about life and our culture. The reason why I deviate from society is not because I dislike someone or people in general. It’s not because I don’t desire for people to comfort me. I abstain from society at large in such situations, despite all the suggestions to not do so.. because I’m aware that society can kill you faster when you are more vulnerable.

 

In May, I “passed” well in society. Noticing such not being the case in late August/early September devastated me. My parents were starting to treat me correctly, because their eyes could not lie. For me, it was an achievement, considering their religious background. But yet, the very same people who were already treating me correctly.. they returned to their old habits. It felt natural to them, the same it felt natural when I “passed”. Though the usual people will tell you how beautiful you are and that you still somehow “look great”, you know that it is a lie. Because the same people will fall to the same pits and hiccups from earlier days.
Humans are animals, they can’t help but call it for what it seems. It’s part of their instinct, no matter how much one can control against it. Without my treatment, there’s no way I can function in society. With my treatment, people naturally feel inclined to act accordingly to a basic truth about my existence.

 

In your mind, during such nightmare, all you can think about is not that “things will get better someday”. That is uncertain, there’s no garante to such words. It’s wishful thinking, it’s a belief that I would rather not entertain myself with. I like to have control over my own life, know that the things I care about are certain. I like certainties rather than questions, because it makes me feel safer. I already have plenty of questions, I’m already uncertain about so many things in life. The least I need is.. more questions and maybes.
Questions make me believe that the worst thing can also happen. When there’s a possibility that the worst thing can happen, it frightens me. Having control over my life assures me that I can change the odds to my favor.

No. What you actually think about during such moments is “if nothing bad had happened, the things I would be doing right now. I would probably already be doing my surgery. If nothing bad had happened, I would had celebrated my first Halloween somehow! I could had gone to the beach during that Summer. Or spend a vacation somewhere, get to know someone.” Those kinds of thoughts, I’m sure you understand. Hence the bitterness when you think about it and then look around you only to notice people still walking on eggshells when they talk to you. That shouldn’t be happening by now. For a moment in the past, months ago, there were no eggshells.
Do you, reader, understand the amount of grudge and pain one feels for the world around them in such situation? For me, it felt that I had cultivated so much hatred for life itself that, at times, I feared that I would never be able to feel loved and love someone else in return.. even if life turned out in my favor once again. It’s not something that you forget. It is not something you simply “accept”. It’s an experience that molds you, it forces you to see how society actually is and not what we think or wished it was. Even at times, it seemed as if I finally understood the mentality behind the so called “SJW’s” on the far left, politically speaking.. or at least what drives them to their activism.

Again, Beauty is pain. Though I really believe this pain was unnecessary at this point, considering everything else I’ve already been through. But we don’t get to choose when such calamities happen. But hey, I’m still alive for now.. let’s hope that never happens again.

 

I could mention a few specific examples of humans being humans.. but honestly, I don’t even have the energy to do so currently. But I will add one last thought to the wall of lamentations to a specific unnamed individual.

When someone is having darker thoughts, don’t be silly and suggest to “don’t do it, think of your friends and family”. You don’t know anything about my life to make such claim, to assume my friends and family would collapse without my presence. They would feel sadness and grief for a few weeks, my family would be the most affected by it for the rest of their life without a doubt. But they would survive. I’m certain of that. If I had a husband and children, then such suggestion would make sense. But I’m single and have no child, no one depends on me to survive. And no one is that emotionally invested to collapse in such a way.
And yes, my family would suffer the most but they are also religious. They would trust in their god and they would survive with their faith. I know that, I was once part of their religion, and their religion doesn’t believe that death is the worst thing that can happen (to be honest, me neither, despite the lack of belief in deities. There are worst things than death). The worst thing that could happen already happened in their viewpoint, turning away from their god. Plus, they believe in resurrection. So, the way they would approach anyone’s death is that it’s “temporary” and that god only resurrects “good people”.

.. So no. Don’t be foolish. It only makes you seem like you care more about my family than myself when the only thing you can say is “think of the family” and that “we will love you, no matter if a man or a woman”. It doesn’t work that way. It never will. In fact, it does the opposite of what you intended. It gives more reasons to entertain those thoughts even further. Because it only shows how much I despise humanity sometimes. Next time if you want to help under such dire circumstances, focus on my issues and emotions instead of thinking how would “others feel about it”. If you don’t have anyone dependent on you to live, the only thing that keeps you alive is the possibility and hope that one can still find happiness. So, to aid someone under such predicament, appeal to their desires and provide them a reason to give life another chance.

I’m only saying this now and on this blog post since I’m less gloomy given the positive news. I’m willing to forgive you with time, when I get better. I do not know if I’m examining your words correctly or just assuming things that aren’t true. I want to believe that I’m wrong, so allow me some time to recover and become happier with life in general. But the advise still stands, be mindful when talking to someone who has darker thoughts and don’t just spout the first thing that sounds nice to the ear. Leave it to a professional or to someone who has had experience dealing with people under such thoughts. Words, tone and body language matter much more than you think.

 

 

Darker emotionally driven walls aside, what I intend to do in the future; besides keeping a watchful eye on my liver, doing my therapy and find a way to legally alter my ID as quickly as possible, return to my old job or find a new one; is to focus on the things that make me happy.

As such, I’ve decided to begin training my voice. Given that I am not currently working, thus a less busy life and more alone time, it will allow me to do so without the fear of sounding silly to anyone listening to me try. That was what kept me from training, despite the fact I’ve attempted several times in the past to have a daily training routine.
Once I’ve become more comfortable with my own voice and (once again) with my appearance, I might start doing videos on youtube. Mostly about the things that I like rather than a larger focus on an attempt to harvest attention for my own predicaments.
I really don’t want to be known as merely “the victim of X, Y, Z and W”, but, if I am to be known, I would rather if for my creativity and opinions on aspects related to things that are part of geek culture. Why would I do so? Because I think it could be fun and it does send a happier message to a wider audience rather than a “victim” narrative. However, I also believe that my life experience could prove useful for certain people, which I won’t shy away from expressing it once in a while.

I’ll begin to draw once again, hopefully in January. Again, there’s absolutely no point in practicing a new style of drawing when I’m still under the influence of testosterone. In fact, when I stopped my treatment, I somehow was able to regain my former art style. But I didn’t invest on it. So, once my emotions start to make sense once again, I’ll be able to properly attempt a new art direction. I intend to draw cartoons, as always. I’m a storyteller at heart, cartoon characters have been my medium. It would be a shame to not invest time on such artistic expression.

 

My life experience has given me much to think about and to share eventually. As I’ve mentioned, mental illnesses are often misunderstood by society at large. While being a transsexual is but an aspect of my life, I am much more than a victim of gender dysphoria. Plus, there are already plenty of voices speaking about such issues. Given current political climate, I would rather turn my attention to former Jehovah Witnesses.
Though I dislike the idea of someone forming or joining a community based on such aspects, I must say that the “Ex-JW community” ends up being the community I overall identify the most with besides geek culture. To be fair, they have interacted with my content the most online. They seem interested in my voice, rather than any other type of voice out there that claims to be part of one community or another. It is my desire to interact with it more often eventually.

 

 

As far as these updates go, given what will happen in the next few months will prove to be predictable.. I will wait until further major news related to my transition to make a new update. I could make a monthly update but, to be fair, it would be pointless. You might as well read former updates to have an idea of what’ll happen.

That’ll be all for now. Thank you for reading and I’ll see you on a next update! Hope you have a nice holiday and a good view for the fireworks in New Years’!

 

 

 

PORTUGUÊS

 

Boa tarde!

É verdade, leram correctamente. Vou continuar com o tratamento, com nova medicação! Alegrem-se~

Claro, já faz algum tempo desde que escrevi uma actualização. Se és um dos meus seguidores mais antigos e uma pessoa que lê as parvoíces no meu website e redes sociais, é provável que questiones como tenho estado. Ou se calhar não, poderás apenas ser uma alma curiosa e bisbilhoteira. Independentemente da legitimidade e percepção, são bem vindos. A minha última actualização foi escrita no dia 17 de Agosto. Eu comecei a minha terapia no dia 15 de Dezembro 2016, forçosamente parei no dia 11 de Maio 2017. Comecei a minha terapia hormonal ontem, dia 17 de Novembro 2017. Pode não ter sido no dia 15, como todos os outros dias significativos da minha vida.. mas não interessa, visto que não tive que esperar até Dezembro desta vez.

 

Neste post, como alguém que tem aprendido com o tempo no que diz respeito a escrever blog posts de forma casual e periódica, o melhor formato para estas actualizações é ser primariamente directa. Depois das novidades, o lado mais emocional pelo qual eu pessoalmente sinto necessidade de partilhar independentemente da interpretação desses mesmos. De novo, tenho consciência que muitos não apreciam este estilo de escrita. Eu pessoalmente gosto, apesar de às vezes ser acusada de ser “exagerada” na descrição de tais emoções e factos. Eu não exagero, eu apenas tenho plena consciência dos mesmos e tento, dentro dos possíveis, fazer com que as pessoas entendam com pouca margem para dúvidas. A vida é muito.. mais complicada e intensa do que poderão pensar.

 

 

Depois de Agosto, eu fui incapaz de continuar a trabalhar e tive que, infelizmente, cessar. Muitas pessoas aconselharam-me contra essa decisão mas, como sempre, eu fiz aquilo que senti ser o mais correcto sem arrependimentos. Sim, não estou arrependida de tal, porque foi necessário. Como tal, perto de Setembro, eu mantive-me em casa a maior parte do tempo por razões óbvias.

Para surpresa de ninguém, espero eu, muitos aspectos de outrora voltaram, emocionalmente e fisicamente falando. Pelo qual a razão de evitar tudo e todos. Independentemente das pessoas que tentaram contactar-me, durante este período de tempo, sem sucesso e sintam injustificadas pelo meu silêncio deliberado; foi um mal necessário. Eu acredito que as pessoas mais sensíveis ao sofrimento das outras pessoas irão entender o porquê de manter-me afastada da sociedade de forma geral. Se as pessoas concordam ou não com tal comportamento em face a esta dificuldade, isso pouco me importa. Eu sou adulta, eu lido com anormalidades. As pessoas precisam de ter consciência de que existem coisas pelo qual nunca irão compreender e que apenas têm que aceitar a sua ignorância no que diz respeito aos assuntos e sentimentos das pessoas que as levam a tomar acções menos convencionais.

 

Eu tive uma consulta com a minha Endócrinologista no princípio de Novembro. Outro exame ao sangue e um pouco desapontada com a minha doutora. Apesar de preferir não partilhar certos detalhes da inaptidão da médica durante as nossas consultas, eu já estou a pensar na possibilidade de ser seguida por um outro Endócrinologista.

No dia 10, eu tive a minha primeira consulta de Gastrenterologia no sistema nacional de saúde. Os valores.. não desceram. Na verdade, aumentaram ainda mais em comparação aos valores em Maio!
De qualquer forma, apesar do valor ter sido causado pela medicação anterior, algo mais está a manter os valores a esse nível. Eles deviam ter abaixado, com ausência de qualquer estilo de medicação. Apesar de tudo, eu agora estou em boas mãos, sob o olhar da minha nova Gastrenterologista. Ela irá vigiar os meus valores, para resolver o mistério. Ela tem algumas teorias, mas precisa que algo evolua ou de um novo sintoma. Com falta de sintomas, ela não consegue formar um diagnóstico e resolver. Poderá ser da minha vesícula biliar devido à pedra de dois centímetros, poderá ser por motivos genéticos. Ela também sugeriu que poderá ser da tiróide, apesar da Endócrinologista negar qualquer ligação com tais valores visto que, de acordo com os meus exames médicos, a minha tiróide está saudável.

No fim da consulta, a minha Gastrenterologista não achou algum problema continuar com o meu tratamento, apesar dos valores. O que me fez sentir grata de fornecer essas boas notícias para a minha Endócrinologista no dia 16. Com a opinião de dois Gastrenterologistas que concordam com a continuação do meu tratamento, ela não teve outra escolha se não prescrever um novo Bloqueador de Testosterona!

 

A Ciproterona não é uma boa medicação para ser usada. Afinal de contas, tais valores não surpreenderam a minha Gastrenterologista, visto que ela já viu valores similares em três casos de homens idosos com problemas de próstata que tiveram que tomar essa medicação. Não é de admirar que esta medicação esteja banida nos Estados Unidos, existem melhores alternativas. A razão pelo qual estou a pensar num outro Endócrinologista mais experiente. Vamos ver..
De qualquer forma, apesar de não ter intenções de revelar o nome desta nova medicação, disseram-me que irá actuar da mesma forma que a outrora. Apesar da dosagem mais baixa que vai testar a reacção a tal, o único efeito secundário pelo qual terei que me preocupar está associada à tensão. Poderá baixar, apesar de ela acreditar que nada deverá acontecer devido ao meu historial e valores coerentes.

 

Com esta nova medicação, a minha Endócrinologista sugeriu-me para focalizar nas coisas que me deixam feliz. Evitar stress, uma alimentação saudável, dormir bem. Claro, não vou ignorar tal conselho.. irei tentar o meu melhor. A verdade é que também não só dependerá de mim.
Irei ter exames mais frequentemente nos próximos meses, um cuidado mais acrescentado da parte das médicas. É razoável e acredito que a minha Gastrenterologista seja bem experiente. Já a minha Endócrinologista, irei procurar um outro em privado.

No que diz respeito a salário, eu acredito que esteja preparada em Março para voltar a trabalhar de novo.. se as minhas colegas me aceitarem de volta. Se tal não for possível por qualquer motivo, terei que procurar um novo emprego logo que obtiver um novo Cartão de Cidadão. Isto serve de motivo de preocupação para o tópico pelo qual irei revelar neste post.

 

Em Portugal, para mudar a identificação (Nome e Sexo), uma pessoa precisa das assinaturas de dois especialistas verificados que consigam diagnosticar disforia de género de forma correcta. Os meus dois exames psicológicos já tinham sido feitos e assinados por duas equipas hospitalares diferentes.. já por alguns anos. A única coisa que falta é um papel único com duas assinaturas, para ser enviado para as pessoas certas para elas abrirem um processo e alterarem os meus documentos legalmente.
Ignorando opiniões políticas, visto que eu pessoalmente sou da opinião que uma pessoa deveria ser diagnosticada com disforia de género para alterar tal documentação; eu poderia já ter um novo cartão de cidadão por algum tempo. Infelizmente, um dos médicos foi teimoso o suficiente e desejou que um dos seus colegas assinasse com ele.. apesar dela não estar na lista dos médicos oficiais que o possam fazer. Ele insistiu que a lista pública apenas ainda não tinha sido actualizada. A verdade, para minha surpresa, é que a lista foi actualizada em Setembro.. e não só não consta o nome dessa médica.. o nome dele foi retirado da lista. E também o nome do cirurgião pelo qual tinha planeado fazer a minha cirurgia eventualmente. Por poucas palavras, preciso de duas outras pessoas para assinarem.

Eu quero acreditar que esses nomes foram retirados da lista devido ao psicólogo em questão ser, na minha opinião e de muitos, incapaz de lidar com situações como a minha. No que diz respeito ao cirurgião, ele foi recentemente apresentado nas notícias por fazer parte de um boato falso com o objectivo de retirar pacientes Transsexuais no sistema público de saúde para ser ele (e a sua equipa) a fazer as cirurgias em privado. Independentemente da veracidade de tais noticias ou se é apenas fabricação de pessoas com objectivos políticos opostos que desejam a alteração na lei no que diz respeito à forma como os Transsexuais são tratados no país.. a favor das pessoas que acreditam ser pessoas Não-Binárias/sem disforia de género mas que, mesmo assim, desejam um novo cartão de cidadão.. é um mistério que prefiro nem pensar de momento. É melhor focalizar na minha própria terapia por agora.

Como tal, devido à necessidade de alterar o cartão de cidadão para facilitar a procura de trabalho, caso as minhas colegas não me desejarem de volta por qualquer motivo (não importa se os motivos são justificáveis ou não, não importa, não vou acusar ninguém de nada); Eu vou tentar comunicar-me com um endócrinologista que pertença à lista de pessoas que possam assinar. Assim, eu consigo resolver dois problemas com apenas uma consulta! Vamos confiar que vou conseguir ainda ter essa consulta este mês.

Afinal de contas, sem um salário seguro mensal, eu serei incapaz de continuar com a minha transição. E isso seria devastante! Portanto, devido à incerteza da parte das minhas empregadoras para Março, eu apreciaria qualquer sugestão para uma nova e possível fonte de salário caso isso seja necessário. Claro, será importante ter um novo cartão de cidadão primeiro. No que diz respeito ao meu portefólio, eu irei criar um caso as minhas empregadoras decidam não voltar a fazer uso dos meus serviços (visto ser necessário fazer uma visita ao escritório para copiar os ficheiros com todo o meu trabalho durante anos).
Sou Designer Gráfico e também sei um pouco de Web-Design. De qualquer forma, como qualquer pessoa da minha geração sabe, não podemos nos dar ao luxo de apenas procurar emprego dentro das nossas áreas de estudo. Como tal, qualquer trabalho razoável será bem vindo dentro da minha área de residência (por muito vago que isso possa ser para algumas pessoas).

 

No que diz respeito à terapia que comecei de novo e o que esperar, se nada acontecer de mal, eu sei o que irá vir.. e também os meus leitores sabem. Nos próximos meses, as mudanças irão ocorrer de novo. Os mesmos efeitos que escrevi outrora vão acontecer de novo, ao mesmo passo e ordem. As mesmas dores temporárias e maravilhas, excepto com menos espanto visto que eu já sei bem o que vai acontecer e quando. A única coisa que posso sentir é grata que vou finalmente voltar ao que era antes e, esperemos, ir ainda mais além desta vez!

A doutora disse para focalizar nas coisas que me deixam feliz, pelo qual irei fazer. Ao contrário da “primeira temporada”, eu vou tentar divertir-me com as coisas que realmente me fazem sentir feliz na vida sem esperar que as coisas poderão correr melhor. Tenho 27 anos, eu quero viver os meus 20’s enquanto eu.. ainda estou nos meus 20’s. Claro, tal não é possível sem o meu tratamento, ao contrário do que algumas pessoas poderão aclamar quando pensam que nada me impede de tal. Essas pessoas não sabem o que dizem, óbvio.

Agora sim, vamos entrar no aspecto mais sentimental dos eventos passados.
Apenas um aviso, leitor. Não leia os próximos parágrafos caso esteja a lidar com uma depressão.

 

 

Todas as pessoas Transsexuais sabem o quão assustador é a ideia de fazer uma “de-transição” (por falta de expressão em Português) por qualquer motivo. As poucas pessoas pelo qual falei.. elas só apenas conseguem imaginar o sofrimento que eu passei durante este tempo entre Maio e Novembro. Para mim, foi uma eternidade, muito mais do que o tempo entre Dezembro e Maio. Senti muito sozinha e, para ser honesta, nunca senti tanto rancor! Muitos pensamentos negativos vieram à mente, com muito detalhe e planeamento. Essas ideas foram bem vindas em vez de repudiadas, uma paz de mente quando imaginava a liberdade que tal poderia dar de tudo o que estava a acontecer.

 

As doenças mentais são.. incrivelmente incompreendidas pela população em geral. Quando uma pessoa fica doente, ou fractura um osso ou parte do corpo, as pessoas conseguem compreender e ter uma maior empatia para a outra. No entanto, as doenças mentais são facilmente ignoradas como algo que é simples de lidar. Quando alguém fractura um braço, ninguém diz para “ignorar” a dor no braço da pessoa e para usar esse braço como se nada estivesse de errado. Mas, para uma pessoa que sofre psicologicamente, as pessoas esperam que a vitima tenha uma vida completamente normal e que reaja às situações tal e qual como uma pessoa saudável. É.. injusto.
Eu sempre soube disso, de tal realidade e facto no que diz respeito à vida e nossa cultura. A razão porque me afasto da sociedade não é porque eu não gosto de alguém ou de pessoas de forma geral. Não é porque eu não deseje o carinho das pessoas. Eu faço tal nestas situações, apesar das sugestões todas contra tal.. porque eu tenho consciência que a sociedade pode matar mais rapidamente quando a pessoa se sente vulnerável.

 

Em Maio, eu “passava” bem na sociedade. Notar que tal já não era o caso no fim de Agosto/princípio de Setembro foi devastador para mim. Os meus pais estavam a tratar-me de forma correcta, porque os olhos deles não mentiam. Para mim, tal foi motivo de felicidade, considerando a religião deles. Mas mesmo assim, as mesmas pessoas que estavam a tratar-me de forma correcta.. voltaram para os seus hábitos antigos. Foi natural para eles, da mesma forma que foi natural quando eu “passava”. Ignorando as pessoas do costume que dizem que és bonita e que ainda tens “bom aspecto”, sabendo que era tudo mentira. Porque as mesmas pessoas caíram nas mesmas armadilhas e soluços nos seus diálogos como antigamente.
Os humanos são animais, eles não conseguem evitar de chamar as coisas pelo que parecem ser. Faz parte do instinto, não importa o quanto uma pessoa lute contra tal. Sem o tratamento, não existe maneira de lidar com a sociedade. Com o meu tratamento, as pessoas sentem naturalmente inclinadas a agir de acordo com uma verdade básica da minha existência.

 

Na minha mente, durante tal pesadelo, eu não conseguia ter esperança de que “as coisas ficarão melhores”. Isso é incerto, não existe garantias para tais palavras. É apenas um desejo, uma crença que prefiro nem entreter na minha mente. Eu gosto de ter controle na minha própria vida, saber que as coisas que me preocupo são certas. Eu gosto de certezas em vez de dúvidas, porque isso me faz sentir segura. Eu já sou uma pessoa com muitas dúvidas por natureza, com muitas inseguranças. Do que menos preciso é.. de mais perguntas e “talvezes”.
Perguntas fazem-me acreditar que o pior poderá acontecer. Quando existe a possibilidade de que o pior poderá acontecer, isso assusta-me. Ter controle na minha própria vida assegura-me que tenho possibilidade de alterar as coisas a meu favor.

Não. O que penso nesses momentos é “se nada de mal tivesse acontecido, as coisas que poderia estar a fazer neste momento. Poderia estar a fazer a minha cirurgia. Se nada de mal tivesse acontecido, já teria celebrado o meu primeiro Halloween! Eu poderia ter ido para a praia durante o Verão. Ou ir de férias a algum lado, conhecer alguém.” Esses pensamentos, eu acho que conseguem compreender. Por isso o rancor que sinto quando penso assim e depois olho ao meu redor só para verificar as areias movediças que as pessoas evitam só para falarem comigo sem me magoarem. Isso não devia estar a acontecer neste momento. No passado, não existiam armadilhas.
Conseguem compreender o rancor e dor que uma pessoa sente pelo mundo ao redor numa situação destas? Para mim, eu senti que cultivei tanto ódio pela vida que, por vezes, tive medo de nunca mais ser capaz de sentir amada e de amar alguém de volta.. mesmo se a vida me favorecesse de novo. Não é algo que se esquece. Não é algo que se “aceite”. É uma experiência que nos molda, que nos força a ver a sociedade por aquilo que realmente é e não por aquilo que pensamos ou desejá-se-mos que fosse. Por momentos, até senti que finalmente percebia a mentalidade por detrás desses movimentos políticos modernos da extrema esquerda.. ou pelo menos o que alimenta tal forma de activismo que repudio.

De novo digo, a beleza é criada com muita dor. Apesar de acreditar que esta dor é desnecessária nesta altura, considerando tudo o que já vivi até agora. Mas nós não escolhemos quando tais calamidades podem surgir. Enfim, ao menos ainda estou viva por agora.. vamos ter esperança que este pesadelo não repita de novo.

 

Eu poderia mencionar casos específicos de humanos a comportarem-se como humanos.. mas para dizer a verdade, nem tenho energias para tal. Mas apenas vou partilhar um último pensamento para este moral das lamentações para alguém muito específico e anónimo.

Quando alguém está a contemplar pensamentos mais negativos, não sejas tolo ao dizeres “Não faças isso, pensa nas tuas amizades e família”. Tu não sabes de absolutamente nada da minha vida para fazer tal apelo, assumires que as minhas amizades e família iria entrar em colapso sem mim. Iriam sentir tristes e mágoa por algumas semanas, a minha família mais afectada para o resto da vida, sem dúvida. Mas iriam sobreviver. Tenho a certeza disso. Se ainda tivesse um marido e crianças, então tal sugestão faria sentido. Mas sou solteira e sem filhos, ninguém depende de mim para sobreviver. E ninguém está assim tão emocionalmente investido ao ponto de entrar em colapso.
E sim, a minha família iria sofrer bastante mas eles também são religiosos. Eles iriam confiar no seu deus e iriam sobreviver devido à fé que tem. Eu sei disso, eu já fiz parte da mesma religião, e a religião deles não acredita que a morte possa ser a pior coisa que pode acontecer (para ser honesta, eu também não, apesar da falta de crença em deuses. Existem coisas piores que a morte). O pior que poderia acontecer do ponto de vista deles já aconteceu, virar as minhas costas para o deus deles. Aliás, eles acreditam na ressurreição. Portanto, eles olham para a morte de qualquer pessoa como algo “temporário” e que deus apenas ressuscita “pessoas boas”.

.. Portanto não. Nada de tolices. Para mim, pareceu que apenas te importavas com a minha família em vez de mim quando dizes para “pensar na família” e que “sempre te iremos amar, independentemente se homem ou mulher”. As coisas não funcionam dessa forma. Nunca irá. De facto, tais palavras tem um efeito oposto do que pretendido. Providenciam ainda mais razões para pensar tais coisas. Porque demonstra o quanto a humanidade me repudia por vezes. Para a próxima, se desejares me ajudar sob tais circunstâncias, focaliza-te nos meus problemas e emoções em vez de pensares no que os “outros poderão sentir”. Quando ninguém depende de ti para viver, a única coisa que nos mantém cá é a possibilidade de um dia encontrar felicidade. Portanto, para ajudar alguém sob tais condições, o melhor é apelar para os desejos dela e providenciar motivos para a pessoa dar uma nova chance.

Eu apenas estou a dizer isto de momento neste blog post porque sinto menos triste devido às boas notícias. Estou disposta a perdoar-te desta vez, assim que ficar melhor. Porque eu não sei se estou a examinar as tuas palavras de forma correcta ou se apenas estou a assumir coisas que não são verdade. Eu quero acreditar que estou errada, portanto permite-me algum tempo para recuperar e sentir mais feliz com a vida de forma geral. Mas o conselho ainda se mantém, tem cuidado ao falar com pessoas com pensamentos macabros e não digas a primeira coisa que vier à cabeça e que pareça bem ao ouvido. É melhor permitir um profissional ou alguém com experiência lidar com tais situações. Palavras, tom de voz e linguagem corporal importam bastante nestes casos, mais do que possas imaginar.

 

 

Emoções obscuras escritas num mural aparte, o que pretendo fazer no futuro próximo; para além ver examinar o fígado, fazer a minha terapia e de encontrar uma maneira de alterar a minha identificação quão breve possível, voltar ao meu trabalho antigo ou encontrar um novo; é de focalizar nas coisas que me fazem sentir feliz.

Como tal, decidi começar a treinar a minha voz. Visto não estar a trabalhar de momento, logo tenho uma vida menos ocupada e com mais tempo para mim mesma; isso irá providenciar oportunidades para treinar a minha voz sem ter receio de sentir tonta para quem me ouvir. Isso foi o que me fez não treinar a minha voz, apesar das várias tentativas no passado de criar uma rotina diária de treino.
Assim que sentir-me mais confortável com a minha voz e (de novo) com a minha aparência, eu penso começar fazer videos no youtube. Videos com respeito às coisas que gosto em vez de um grande foco desnecessário nos meus problemas e passado.
Eu não quero mesmo ser conhecida como “a vitima de X, Y, Z e W”, mas, se é para ser conhecida por algo, ao menos que seja pela minha criatividade e opiniões em aspectos relacionados com parte da cultura geek. Porque faria isso? Porque eu penso que poderá ser divertido a tentativa e fornecerá uma mensagem mais positiva em vez de uma narrativa pessimista. Contudo, eu também acredito que a minha experiência de vida poderá ser útil para algumas pessoas, pelo qual não irei inibir-me de expressá-la uma vez por acaso.

Irei começar a desenhar de novo, penso que em Janeiro. De novo, não faria sentido treinar um novo estilo de desenho enquanto ainda sob a influência da testosterona. De facto, quando tive que parar com o meu tratamento, eu fui capaz de desenhar da mesma forma quanto antes. Mas não investi em tal. Portanto, assim que as minhas emoções fizerem mais sentido de novo, eu irei ser capaz de tentar alcançar um novo estilo de arte. Desejo desenhar banda desenhada, como sempre. Gosto de Storytelling (Contadora de Histórias) e sou tal no intimo, sendo personagens desenhadas como um desenho animado a minha preferência para partilhar tais histórias. Seria uma pena não investir tempo em tal.

 

A minha experiência de vida me providenciou muito que pensar e de partilhar eventualmente. Como disse, as doenças mentais são incompreendidas pela sociedade. Apesar da transsexualidade ser apenas um aspecto da minha vida, eu sou muito mais do que apenas uma vítima de disforia de género. Para além do mais, já existem muitas vozes que falam do assunto. Devido ao clima político actual, eu prefiro dar atenção às Testemunhas de Jeová.
Apesar de detestar a idea de alguém formar ou juntar-se a comunidades com base em tais aspectos, é verdade que a “comunidade Ex-JW” tende ser o grupo de pessoas pelo qual me identifico mais para além da cultura geek. Para ser ainda mais honesta, eles tem interagido mais com as coisas que digo online do que qualquer outro grupo. Eles estão interessados na minha voz, ao contrário das outras “comunidades” em outras categorias. É do meu desejo interagir mais com esta comunidade no futuro.

 

 

No que diz respeito a estas actualizações, devido que os próximos meses irão ser previsíveis.. eu irei esperar até uma altura mais oportuna, com mais novidades relacionadas com a minha transição; para fazer uma nova actualização. Eu poderia fazer uma actualização mensal mas, de novo sublinho, seria inútil. Seria uma cópia do que poderão já ler nas actualizações mais antigas.

Isto será tudo por agora. Obrigada por lerem e vejo-vos numa próxima actualização! Espero que tenham umas boas festas e uma boa vista para os foguetes no Ano Novo!